Apple lança iPhone “popular” no Brasil para alavancar vendas durante pandemia

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação

A Apple divulgou sua “arma secreta” para tentar driblar a queda nas vendas causada pela pandemia de coronavírus no Brasil.

Segundo o site da revista Exame, a empresa iniciou, na última quinta-feira, a venda de seu iPhone “popular” no País: o iPhone SE.

Dotado do mesmo processador do iPhone 11 (o A13), e com visual semelhante ao do iPhone 8, o modelo “popular” da Apple tem câmera traseira de 12 megapixels e tela de 4,7 polegadas.

Entre os recursos presentes nos modelos mais “tops” da marca está o modo retrato para fotos, que pode ter o uso de fundo desfocado.

Em compensação, o desbloqueio por meio de sensor de reconhecimento facial não está presente no iPhone SE.

Para destravar o aparelho, o usuário tem a opção de utilizar o “velho” sistema de impressões digitais, como fazia no iPhone 8.

O preço do modelo “popular” da Apple, nos Estados Unidos, é de US$ 399 (cerca de R$ 2,2 mil). No Brasil, no entanto, ele começou a ser disponibilizado por um preço um pouco maior: R$ 3.699,00.

Os modelos do iPhone SE no Brasil são oferecidos nas cores preto, branco e vermelho (Product RED) e com três capacidades de armazenamento diferentes: 64 gigabytes, 128 gigabytes e 256 gigabytes.

CEO vê Apple forte após a crise

O lançamento do iPhone SE é mais uma aposta da Apple para se manter forte após a crise do coronavírus.

Em videoconferência recente, Tim Cook, Ceo da Apple, disse que a pandemia representa um “momento incerto e estressante”, porém, expressou otimismo que a empresa sairá mais forte da crise, como aconteceu depois da recessão de 2008 e após quase pedir recuperação judicial no fim dos anos 90. As informações são da Bloomberg.

Cook disse que a companhia “não é imune às tendências econômicas mundiais”, mas que a Apple entrou na crise do coronavírus com um forte balanço.

A empresa continuará investindo de “maneira realmente significativa” em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e produtos futuros, segundo funcionários da Apple que participaram da reunião.

Receita da Apple cresce 1% e vai a US$ 58,3 bi; vendas caem e lucro recua 2,7%