Big techs: analistas preveem alta nos lucros do 2TRI21

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

A semana mais movimentada para a temporada de balanços está chegando, e os analistas de Wall Street preveem alta dos lucros do segundo trimestre de 2021 de várias das grandes companhias, inclusive das big techs.

Analistas ouvidos pela CNBC listaram cinco ações que foram recomendadas para compra antes dos lançamentos dos balanços.

No primeiro trimestre de 2021, as quatro maiores big techs, Google (GOGL34), Apple (AAPL34), Amazon (AMZO34) e Microsoft (MSFT34), como são conhecidas as gigantes de tecnologia, somaram uma receita conjunta de R$ 1,605 trilhão nos resultados de janeiro a março.

O serviço de previsão de analistas da TipRanks tenta localizar os analistas de melhor desempenho em Wall Street. Esses são os profissionais com a maior taxa de sucesso e retorno médio por classificação, levando em consideração o número de recomendações publicadas por cada analista.

Confira abaixo quais são essas cinco ações e o por que da escolha de cada uma:

Apple (AAPL34)

Entre as big techs, enquanto a Apple se prepara para relatar seus resultados fiscais do terceiro trimestre em 27 de julho, o analista da Monness Brian White está prevendo um desempenho impressionante da gigante da tecnologia. Foi reiterada a classificação de compra a um preço alvo de US$ 180 (potencial de alta de 24%) em 20 de julho.

“Durante esta crise, acreditamos que a Apple aumentou sua proposta de valor, introduzindo novas inovações, apoiando um estilo de vida mais digital e atraindo novos consumidores para a Apple”, disse White.

O analista argumenta que a Apple provavelmente “se aproximará” de sua estimativa de receita no terceiro trimestre de US$ 80,33 bilhões. Ou seja, ganho de 35% ano a ano. Ele também acha que a empresa pode “pelo menos cumprir” sua previsão de US$ 1,16 de lucro por ação.

Enquanto isso, o resto da Street prevê uma receita de US$ 72,94 bilhões e EPS de US$ 1, que são “excessivamente conservadores”, na opinião de White.

A receita de iPhones deve crescer 48% ano a ano, para US$ 39,14 bilhões. No entanto, seria uma queda em relação ao crescimento de 66% registrado no trimestre anterior.

Google – Alphabet (GOGL34)

Outra das big techs, a Alphabet também informa seus números em 27 de julho. O analista do Bank of America Securities, Justin Post, está esperando “outro trimestre de alta” à medida que a “economia começa a funcionar”.

O analista manteve sua classificação de compra a US$ 2,755 de preço-alvo. Essa meta coloca o potencial de alta em 8%.

Permanecendo “positivo” nas ações, Post acredita que a receita do trimestre ficará em linha com a estimativa do mercado, enquanto prevê EPS de US$ 20,15, acima da estimativa de consenso de US$ 19,21.

Ele também espera que o crescimento da receita de pesquisa esteja alinhado ou acima da estimativa de consenso de 49%, o que representa uma aceleração de 19 pontos em relação ao trimestre anterior.

Segundo ele, Google é sua melhor escolha entre as FAANGs.

Starbucks (SBUB34)

De acordo com Brian Bittner, da Oppenheimer, “a Starbucks tem uma configuração superior que nos mantém otimistas”, levando o analista a aumentar a meta de preço para US$ 140 (potencial de alta de 17%) antes de sua divulgação do balanço de 27 de julho. Ele manteve a classificação de compra para as ações.

“Conclusão: nossa análise atualizada identifica mais vantagens para as previsões financeiras do que o mercado até 2022” Bittner observou.

Ele vê um caminho para a Starbucks superar as expectativas dos analistas para vendas/unidades (AUV) até o ano fiscal de 2022.

A longo prazo, Bittner acredita que a empresa terá um crescimento médio de 15% nos lucros entre o ano fiscal de 2022 e o ano fiscal de 2024.

Mitek Systems

Dadas as atualizações trimestrais dos grandes bancos em junho, o cenário para o Mobile Deposit foi mais uma vez positivo, uma vez que a mudança para o banco digital continuou durante o ano passado, disse o analista da Northland Capital Mike Grondahl.

Isso é um bom presságio para a Mitek Systems, uma empresa de software que oferece verificação digital e captura móvel.

O analista observa, no entanto, que “o modelo de receita de depósito móvel ficará para trás porque os bancos/revendedores têm blocos de transação existentes que precisam ser usados ​​primeiro e depois fazer o pedido novamente”.

Explicando sua tese otimista, Grondahl disse: “Acreditamos que o MITK apresentará um relatório em 29 de julho e as receitas devem estar pelo menos em linha após um sólido trimestre de março, que teve um crescimento robusto de Mobile ID e o crescimento de depósitos de cheques móveis provavelmente se recuperou um pouco. Também será bom obter atualizações sobre o novo produto de detecção de fraude Check”.

Com isso em mente, o analista reiterou uma classificação de compra e um preço-alvo de US$ 21,50. Assim, as ações podem ganhar 12% no ano que vem.

Facebook (FBOK34)

Se você perguntar ao analista da Jefferies, Brent Thill, o Facebook é uma ação das FAANG que ele “possuiria”. Em linha com sua abordagem otimista, o analista não alterou sua classificação de compra. E elevou o preço-alvo para US$ 400. Assim, o potencial de alta chega a 16%.

“As ações da Facebook superaram o NASDAQ Comp, mas o múltiplo de avaliação continua altamente atraente em apenas 22x FY22 EPS (desconto de 25% para o Comp),” disse Thill.

Quando se trata das estimativas do mercado para a receita do segundo trimestre, Thill argumenta que eles são “muito conservadores”. Para apoiar essa afirmação, ele aponta que a demanda por anúncios de setores anteriormente deprimidos como viagens, filmes e varejo superou as expectativas anteriores. Além disso, as verificações de anúncios da empresa demonstram que “os ventos contrários da privacidade do iOS14 não afetaram materialmente os orçamentos”.

Além disso, as estimativas de consenso atuais sugerem apenas 6% de crescimento de receita em relação ao trimestre anterior, em comparação com a média histórica do segundo trimestre de 14%.

“Acreditamos que as estimativas do mercado foram conservadoras a fim de contabilizar o impacto potencialmente negativo da mudança de privacidade do iOS14. De acordo com nossas verificações de especialistas, não enfraqueceu materialmente o negócio de publicidade do FB”, avaliou o analista.

Para ele, a combinação de uma demanda de anúncios mais forte do que o esperado de verticais de anúncios deprimidos, como viagens, e um impacto relativamente mínimo da mudança no iOS14 deve gerar um crescimento de receita de anúncios ex-FX de 50% a mais ano a ano. Isto em comparação com os 45% a mais da Wall Street.

Por fim, Thill estima que o crescimento da receita do terceiro trimestre chegará a 29% – mais, com o crescimento da receita do quarto trimestre chegando a 20% mais.