Após críticas, valores do fundo eleitoral podem diminuir para R$ 2,5 bilhões

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Vetor por Freepik.com

A decisão apresentada por Domingos Neto, deputado relator do projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020,  na terça-feira (3), decretando que há um fundo de R$ 3,8 bilhões em recursos públicos para ser usado em campanhas eleitorais no ano que vem gerou uma série de críticas.

Por causa disso, na última terça (10), líderes partidários negociaram um novo valor para o fundo eleitoral e devem estabelecer como teto da nova proposta um valor menor, na casa de R$ 2,5 bilhões.

Segundo informações de Valdo Cruz, comentarista de política e economia da Globo News e do G1, interlocutores do presidente Jair Bolsonaro disseram aos líderes partidários que a intenção de adotar um fundo de R$ 3,8 bilhões teria muita chance de ser vetada, enquanto a diminuição para R$ 2,5 bi poderia ser aprovada sem tanta resistência.

Orçamento de 2020

O valor de R$ 2,5 bilhões ainda é maior do que o sugerido pela equipe econômica de Jair Bolsonaro – cerca de R$ 2 bi -, mas se encaixa melhor em um montante que não gere tantas críticas.

O Congresso quer aprovar o Orçamento da União de 2020 ainda neste ano, cumprindo sua obrigação, porque o ano que vem é de eleição municipal.

Os recursos alcançados com a definição do fundo eleitoral serão destinados às eleições municipais de 2020 e a intenção dos parlamentares é conseguir a aprovação o mais rápido possível.