Após corte da Vale em produção, minério da China tem alta de 1,7%

Jéssica De Paula Alves
Jornalista e produtora de conteúdo
1

Crédito: Divulgação Vale

Na China, o minério apresentou uma alta de 1,7% após a empresa brasileira Vale ter reduzido a sua projeção de produção no primeiro trimestre de 2020. Segundo o site Mix Vale, o contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de Dalian, que vence no próximo mês, fechou em alta de 1,7%, a 651,50 iuanes (92,56 dólares) por tonelada, após chegar a subir 2,2% durante a sessão.

Na bolsa de Cingapura, o primeiro contrato, para janeiro, teve ganhos iniciais e recuava 0,4%. Já o contrato mais negociado do aço na bolsa de Xangai fechou em queda de 0,2%.

A redução da Vale foi informada na segunda-feira (2). A empresa ponderou que deverá produzir entre 68 milhões e 73 milhões de toneladas de minério de ferro, nos primeiros três meses de 2020. Anteriormente, foram estimadas entre 70 milhões e 75 milhões de toneladas.

Descubra novos caminhos para multiplicar seu patrimônio. Aprenda hoje a investir R$ 300 mil com os melhores desempenhos.

A revisão acontece quando os estoques de minério da China caíram ao menor nível em quase 10 semanas.

“Dado que o controle de produção (da China) no inverno está menos severo que no ano passado. E a demanda por aço segue sólida devido às políticas de apoio do governo. Assim, nós esperamos que os preços do aço subam mais. Suportando uma recuperação adicional no minério de ferro e no carvão de coque”, disse Helen Lau, analista da Argonaut Securities.

A produção da Vale, segundo a empresa, deverá se recuperar gradualmente entre 2020 e 2022. Depois de uma forte queda na sequência do rompimento de uma barragem da companhia em janeiro.