Vale (VALE3) recupera valor um ano após Brumadinho, mas desafios seguem

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação Vale

O rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), deixou 259 mortos e se tornou um dos maiores acidentes ambientais no dia 25 de janeiro de 2019.

Às vésperas do aniversário de um ano da tragédia, a Vale (VALE3), empresa mineradora responsabilizada pelo desastre, vem dando mostras de recuperação dentro da Bolsa de Valores, apesar dos vários desafios a superar, como reparações ambientais e problemas na Justiça.

As ações Vale (VALE3) fecharam cotadas a R$ 57,00 no encerramento do pregão de 17 de janeiro, pouco acima do preço anterior à tragédia, que era de R$ 56,15, em 24 de janeiro, véspera do rompimento.

Monitore completamente sua Carteira

O valor de mercado da companhia também subiu, passando a R$ 301 bilhões, R$ 5 bi a mais do que o registrado antes da tragédia em Minas Gerais.

A valorização da Vale e, consequentemente, de suas ações (chegaram a bater em R$ 42,38 após a tragédia), é fruto do otimismo do mercado com a empresa e com o setor.

O fato de a China, maior importador de minério de ferro brasileiro, ter assinado a Fase Um do acordo comercial com os Estados Unidos, pesou positivamente, já que deve impulsionar a economia do país e, consequentemente, a importação de minério da Vale.

Faça você mesmo o rebalanceamento de sua carteira de investimentos

O otimismo é tanto que o Bradesco BBI recomendou compra das ações da Vale na última segunda-feira (13), alegando que a empresa “é uma subestimada máquina de fazer dinheiro em modo de diminuição de riscos”.

Justiça

Fabio Schvartsman, presidente da Vale à época da tragédia, estava em um voo vindo de Davos, na Suíça, para São Paulo, quando foi informado do acidente em Brumadinho, relata o Estadão Conteúdo.

Hoje, quase um ano após a tragédia ambiental, o ex-executivo da mineradora luta na Justiça para se livrar de eventuais processos sobre negligência que possam recair sobre seus ombros.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Ainda segundo o Estadão, Schvartsman deve ser um dos indiciados pelo Ministério Público de Minas Gerais e, para se defender, abriu mão da área jurídica da mineradora, dando preferência a uma banca particular de advogados criminalistas.

O executivo terá ao seu dispor Pierpaolo Bottini, que defendeu o empresário Joesley Batista, um dos donos da Friboi.

Chamou ainda o escritório Barbosa, Mussnich e Aragão (BMA) para fazer uma investigação interna e vasculhar milhares de e-mails, trocas de mensagens de celular e atas de reunião que o executivo participou para mostrar que ele não teve responsabilidade direta no acidente.

Em relação às vítimas, a Vale anunciou, em seu site oficial, que já celebrou mais de 4.000 acordos, individuais e trabalhistas, indenizando integralmente as pessoas. Nestas ações, já foram despendidos recursos de cerca de R$ 2 bilhões.

“Seguro reputação”

De acordo com o Estadão os demais executivos que faziam parte da direção da Vale à época, e que ainda estão no quadro da mineradora, acionaram o seguro de responsabilidade civil de diretores e Administradores (D&O), conhecido no mercado como “seguro de reputação”.

Esse tipo de cobertura é comum nos Estados Unidos e destinada aos altos executivos das empresas que apresentam riscos ambientais ou processos de corrupção.

Quatro executivos foram afastados dos cargos após o incidente. Além de Schvartsman, saíram Peter Poppinga, responsável pela área de ferrosos e carvão do grupo, Lúcio Flávio Gallon Cavalli, de planejamento, e Silmar Magalhães Silva, de operações do corredor sudeste.

Representado pelo escritório David Rechulski, Poppinga pode ser responsabilizado criminalmente pelo acidente. O executivo já enfrentava ação penal relativa ao rompimento da barragem da Samarco, joint venture entre Vale e BHP, em Mariana, em novembro de 2015, por ser conselheiro de administração do grupo.

Medidas

A Vale, em seu site oficial, informou que está tomando uma série de medidas para auxiliar a comunidade do Córrego do Feijão.

A principal delas foi rotulada de “território-parque”. De acordo com a empresa, trata-se de um projeto de requalificação urbana, um conceito que inclui ações de melhoria da infraestrutura (reforma, pavimentação e urbanização de ruas, casas e estruturas), reativação econômica e desenvolvimento do turismo local, além de cuidado com a memória das vítimas do rompimento da Barragem I.

A ideia, segundo a Vale, é potencializar o turismo na região, tornando a área um destino ecológico. Toda a inciativa foi construída com base em uma escuta ativa dos moradores, que sugeriram aperfeiçoamentos e novas frentes de trabalho.

“Estamos evoluindo com um portfólio de produtos premium ajustado às demandas de mercado. Aliadas ao nosso compromisso com a segurança e a alocação disciplinada de capital, nossas ações reduzem as incertezas e nos conduzem para resultados sustentáveis”, comentou Eduardo Bartolomeo, Diretor-Presidente.