ANP: Produção de petróleo no Brasil cai 5,8% em setembro

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: REUTERS/Sergei Karpukhin

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) afirmou nesta sexta-feira (16) que a produção de petróleo sofreu redução de 5,8% ante agosto. As informações são da Agência Reuters.

A produção brasileira em setembro totalizou 2,907 milhões de barris por dia (bpd). No mês anterior, foi alcançado 3,087 milhões de bpd, de acordo com a ANP.

Na última segunda-feira (12), o Ministério de Minas e Energia já havia indicado que a queda da produção no mês passado deveria girar em torno dos 5%, conforme o Boletim de Monitoramento covid-19.

Conheça a FinTwit, o maior fórum de finanças do mundo.

Hoje o Twitter é pauta na Money Week.

Ainda mais, houve queda de 2,74% na em relação a setembro de 2019. Nesse período, foram produzidos no país 2,89 milhões de bpd, acrescentou o órgão regulador.

Já a produção doméstica de gás natural em setembro somou 125,255 milhões de metros cúbicos por dia (m³/d). De acordo com a ANP, esse número também está abaixo dos volumes do mês anterior e de 2019.

Em agosto, a produção de gás nacional foi de 133,5 milhões de m³/dia, enquanto em setembro passado ela registrou 128,86 milhões de m³/dia, apontam os dados.

Campo de Búzios

O poço 7-BUZ-10-RJS do Campo de Búzios, localizado na área do pré-sal da Bacia de Santos, registrou recorde em volume produzido de petróleo e gás natural em setembro.

Segundo a ANP, foram produzidos cerca de 69,6 mil barris de óleo equivalente (boe) por dia. O valor tornou-se o maior volume registrado por um único poço em toda a série histórica.

De acordo com o órgão, no mês passado, a produção nacional dos 273 campos em operação no país atingiu 3,695 milhões de barris de óleo equivalente por dia. Foram 2,907 milhões de barris/dia de petróleo e 125,255 milhões de metros cúbicos de gás natural.

Por fim, do total, o estado do Rio de Janeiro participou com 2,922 milhões de boe. Destes, 2,389 milhões de barris/dia foram de petróleo e 84,793 milhões de metros cúbicos de gás natural. Com 37 produtores, o Rio de Janeiro lidera o ranking nacional.