Ânima (ANIM3): proposta pela Laureate é classificada como superior

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: Divulgação / site

A Ânima Educação divulgou comunicado nesta terça-feira (27) informando que a Laureate classificou sua proposta de aquisição dos negócios no Brasil como superior de forma definitiva. A decisão ocorre ao fim do período em que a Ser Educacional (SEER3), que tinha dado o pontapé inicial na disputa, poderia ter equiparado sua oferta vinculante.

A proposta da Ânima prevê um valor (enterprise value) da Laureate, líquido de contingências, de R$ 4,423 bilhões, o que representa um múltiplo de 10,7x EV/EBITDA Ajustado 2020E. Esse montante compreende R$ 3,8 bilhões que será destinado aos acionistas mais R$ 623 milhões em dívidas.

A proposta da Ânima Educação inclui, ainda, R$ 203 milhões por vagas de medicina pendentes de aprovação. Por fim, caso seja devida a multa contratual pela Laureate, a Ânima Educação pagará o valor de R$ 180 milhões

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

No acordo, está prevista a venda de 100% da FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas) ao fundo Farallon.

Em paralelo à negociação com a Laureate, a Ânima Educação fez um acordo com o Farallon, para que este assuma a obrigação de comprar todas as participações futuras na FMU.

Recursos

A Ânima Educação prevê pagar a aquisição usando o caixa de R$ 793 milhões, além de um financiamento por bancos no valor de R$ 3,300 bilhões. Para isso, já tem cartas de compromisso firmadas. Também conta com os recursos em dinheiro do contrato firmado com a Farallon para aquisição da FMU.

Na semana passada, a Ânima informou que iria convocar uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para analisar um possível aumento de capital social de R$ 1,651 bilhão para até R$ 4 bilhões. O anúncio foi visto como uma forma de levantar recursos para bancar a transação.

A disputa pelas operações da norte-americana Laureate começou no mês passado, quando a Ser Educacional lançou a proposta, com uma cláusula de “go shop”. Isso significava que a intenção de compra estava posta, mas a Laureate poderia receber outras ofertas por um determinado período – no caso, até 13 de outubro. A Ser poderia cobrir os novos lances.

Disputa

Não só a Ânima manifestou interesse como também a Yduqs (YDUQ3), mas a Laureate se decidiu pela primeira.

A Ser entrou na Justiça para barrar a venda, alegando que a oferta da Ânima não continha as fontes de pagamento e, portanto, não era válida.

A Laureate considerou essa iniciativa como quebra unilateral de contrato. E alega que está livre de pagar a multa rescisória de R$ 180 milhões. Esse valor, no entanto, está previsto nos cálculos da Ânima.

Para entender o desenrolar dessa história, veja esse artigo: Ânima (ANIM3) x Ser (SEER3): quem fica com a Laureate?

 

E se está interessado em investir em ações de companhias do setor de Educação, preencha o formulário abaixo, que a EQI Investimentos entrará em contato.