Anfavea: produção de veículos desaba 99% em abril, maior queda histórica

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Site Autoindústria

Ao amargar o pior resultado de sua história, a produção nacional de veículos despencou 99% em abril, o menor nível mensal desde o surgimento da indústria, em 1957.

A informação foi dada pela Federação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), em coletiva virtual transmitida pela própria entidade.

Evitar colapso

Na oportunidade, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, destacou a prioridade do setor à proteção da saúde dos funcionários, mas também chamou atenção para a necessidade urgente de se “encontrar meios de evitar que uma recessão grave leve o país ao colapso”.

Empregos, por enquanto

Nesse sentido, Moraes revelou que a indústria automobilística, pelo menos por enquanto, mantém 125 mil empregos, se consideradas as 26 montadoras associadas à entidade.

Foco absoluto em Saúde

“Isso exige um engajamento coordenado de toda a sociedade e também do Estado brasileiro, com foco absoluto na saúde e na economia”, recomenta Moraes.

O dirigente, porém, adverte que “não é hora de ruídos políticos que só desviam as atenções do que realmente interessa à população brasileira no momento de uma crise sem precedentes”.

Único intacto

O nível de emprego é o único indicador que permaneceu intacto, até agora, na apresentação da Anfavea.

Cenário trágico

De resto, o cenário é dramático e trágico

Fábricas paradas ao longo do mês passado, em que a produção de veículos não passou de 1.847 unidades, entre  automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Em relação a abril de 2019, a queda chegou a 99,4%.

Em abril, foram produzidos, ainda, 1.752 máquinas autopropulsadas, volume 59% inferior ao de março.

Crise no setor rural

Ao mesmo tempo, a apresentação mostrou o reflexo da crise sobre o setor rural.

A exemplo dos demais, o segmento de máquinas agrícolas também se ressente da pausa econômica.

Quedas consecutivas

A avaliação da entidade é de que a queda abrupta da produção foi acompanhada por descensos nas vendas ao mercado interno e nas exportações.

Prova disso é que o licenciamento de veículos em abril último não passou de 55,7 mil unidades, uma quantidade 76% abaixo da registrada em igual mês de 2019.

Pior resultado

Detalhe: esse foi o pior resultado em 20 anos.

Acompanhando a tendência,  o segmento de caminhões teve recuo de 53,5%, ao passo que o de máquinas tombou 23,9%.

Exportações recuam

As exportações, por sua vez, caíram 79,3% para autoveículos – pior volume desde de janeiro de 1997 – além da queda de 62,1% para máquinas, sempre em comparação com abril do ano passado.

Estoque para quatro meses

Como resultado, os estoques alcançaram a 237 mil unidades, o suficiente para quatro meses de vendas, a se manter o ritmo atual.  Esse fato, explica a entidade, explica a dificuldade de retomar a produção das fábricas.