Anfavea: produção de veículos cresce em relação a janeiro de 2020

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou nesta quinta (4) os números da produção do setor automotivo de janeiro. De acordo com o órgão, há um prisma positivo e um outro negativo em relação aos dados.

O positivo é que o índice avançou 4,2% quando comparado ao mesmo mês de 2020 – período pré-pandemia. Por outro lado, o restante do relatório é motivo para preocupação do setor.

No comparativo com dezembro do ano passado, houve queda de 4,6% na produção de veículos. As vendas também recuaram, sendo 29,8% na comparação com o mês passado e 11,5% com janeiro de 2020.

Descubra novos caminhos para multiplicar seu patrimônio. Aprenda hoje a investir R$ 300 mil com os melhores desempenhos.

Os dados mostraram que as vendas atuais foram de 171,1 mil unidades, contra 193,5 mil de janeiro do ano passado e 244 mil comercializadas em dezembro

Segundo a Anfavea, a produção registrada em janeiro é uma das mais baixas desde junho do ano passado, quando foram emplacadas 132,8 mil unidades.

Presidente da Anfavea minimiza baixa

O motivo apontado pelo órgão para justificar a baixa foi a dificuldade para encontrar peças para abastecer as linhas de montagem.

Apesar dos números, Luis Carlos Moraes, presidente da Anfavea, preferiu analisar os dados pelo prisma positivo.

“Apesar das dificuldades, foi um bom número. Temos falado que a logística tem feito um trabalho excepcional, porque ainda temos descompasso e dificuldades e fomos capazes de produzir um bom número para janeiro”, pontuou.

“Janeiro normalmente é um mês mais fraco para o setor, já que dezembro termina em um patamar mais alto todos os anos. É uma queda importante e estamos atentos, mas estamos comparando dados entre janeiros que tiveram com dias úteis diferentes. Foi menor do que dezembro, mas melhor que janeiro de 2020, considerando todas as circunstâncias”, completou o executivo.

A Anfavea divulgou também os números sobre novas vagas de trabalho no setor. Segundo o comunicado da associação, foram criados 2,16 mil postos somente em janeiro de 2021.

Exportações

A Anfavea informou que as exportações do setor chegaram a 25 mil unidades em janeiro deste ano, baixa de 34,8% no comparativo com dezembro, mês em que foram negociadas 38,4 mil unidades.

No comparativo com janeiro de 2020, mês no qual as exportações foram de 20,5 mil veículos, houve aumento de 21,9%. “Número bom para a exportação considerando o cenário, com pandemia na América Latina”.

Associação contesta dados do Ipea

Luis Carlos Moraes aproveitou a divulgação dos resultados para também contestar recentes declarações do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Carlos Von Doellinger.

Segundo Doellinger, o setor automotivo é muito subsidiado, um dos mais protegidos do País, e gera poucas contrapartidas à sociedade.

Moraes rebateu: “É justamente o contrário”, afirma o presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes. “Somos exageradamente tributados, pouco incentivados e geramos retornos espetaculares ao país sob todos os ângulos de análise”.

O presidente  da Anfavea alegou que a desoneração fiscal sobre arrecadação tributária de todos os setores econômicos no país foi de 18% na última década, enquanto que, para o setor automotivo, foi de 8%.

Segundo ele, com isso, o segmento teve a melhor relação entre todos os setores da economia, com R$ 11,1 arrecadados para cada R$ 1 desonerado pelo governo.

“O setor automotivo jamais representou mais do que 2% de toda a desoneração fiscal (redução de impostos) realizada pelo governo federal”, enfatizou Moraes.