Anatel divulga balanço e internet fixa aumenta, enquanto telefonia e TV por assinatura recuam

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução / Anatel

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou nessa segunda-feira (10) os números de acessos dos principais serviços de telecomunicações no país, referentes ao ano de 2019. Foram avaliados telefones fixos e móveis, banda larga fixa e TV por Assinatura. Somados, esses serviços representam 308,6 milhões de consumidores – que podem, obviamente, consumir mais de um serviço.

Internet

A Internet fixa apresentou um aumento de 4,3% em 2019, em comparação com 2018. São 32,56 milhões de domicílios com acesso à banda larega fixa. Assim, a cada 100 domicílio, 46,8 são conectados com linhas fixas.

Já a fibra óptica proveu acesso a 10 milhões de domicílios, com um crescimento de 71,82% no uso da tecnologia em um ano. As conexões acima de 34Mb estavam presentes em 6,11 milhões de domicílios brasileiros, o que representa uma evolução de 36,69%.

A nota ainda trata das Prestadoras de Pequeno Porte (PPPs), que são, segundo definição da própria agência, “grupos detentores de participação de mercado nacional inferior a 5% em cada mercado de varejo em que atua”.

O conjunto de PPPs encerrou o ano em terceiro, em participação de mercado, conectando 9,88 milhões de domicílios à Internet fixa, com um crescimento de 32,44% em 12 meses. “Esse número representa a maior participação de mercado, se comparado às grandes operadoras”, diz a nota. “A Claro, com a segunda maior participação, totalizou 9,58 milhões e, a Vivo, 7,02 milhões. Em dezembro de 2018, as PPPs detinham o terceiro maior quantitativo de domicílios”.

Telefonia e TV por assinatura

Esses dois setores de comunicações apresentaram reduções no ano de 2019, segundo a Anatel: “a telefonia móvel, com 226,67 milhões de números ativos, e a telefonia fixa, com 33,50 milhões de linhas, apresentaram redução de 1,1% e 10,6%, respectivamente”.

Já a TV por assinatura, “com 15,79 milhões de domicílios atendidos, registrou diminuição de 9,9% nos últimos 12 meses”, reflexo dos serviços de streaming e dos canais a la carte que vêm incomodando as operadoras.

Números consolidados

A Anatel divulgou os números consolidados de mercado. Os acessos à banda larga fixa ficaram em 32,6 milhões de domicílios, com uma densidade de 46,8 domicílios a cada 100. Desses, 31,6% usam cabos metálicos; 30,7%, fibra ótica; e 29,4%, cabo coaxial.

A Claro detém 29,4% do mercado, ou 9,58 milhões de domicílios; seguida da Vivo, com 21,6% e 7,02 milhões de domicílios. A Oi segue uma gigante, apesar dos problemas financeiros: tem 16,1% de market share, em 5,26 milhões de domicílios.

A telefonia móvel chegou a 226,7 milhões de números ativos, com densidade de 96,9 a cada 100 habitantes, quase 1 por 1. Desses, 67,8% já operam com 4G, enquanto 18,9% ainda integram a rede 3G e 13,3% estão na 2G. Os usuários de serviços pré-pagos são 51,6% e do pós-pago, 48,4%.

Na telefonia móvel é a Vivo que detém a liderança do mercado, com 32,9%, ou 74,58 milhões de linhas ativas. Na sequência, Claro e TIM aparecem empatadas com 24% de market share, com a Claro levemente na frente no número de linhas: 54,49 milhões, contra 54,45 milhões da TIM. A Oi aparece em quarto, com 16,2% do mercado, 36,79 milhões de linhas. A Nextel está com 1,5% de mercado, com 3,51 milhões de linhas.

A telefonia fixa caiu para 33,5 milhões linhas, o que dá 48,2 para cada 100 domicílios. A Vivo ainda detém a liderança, com 32% do mercado, ou 10,72 milhões de linhas. A Oi aparece em segundo, com 30,6%, ou 10,25 milhões. Depois, aparece a Claro, com 29,1%, ou 9,74 milhões de linhas. A Algar e a TIM estão bem próximas na quarta posição, com 3,7% de market share para a Algar e 3,2% para a TIM, 1,25 e 1,06 milhões de linhas, respectivamente.

Por fim, o mercado de TV por assinatura fechou 2019 com 15,8 milhões pacotes assinados, uma densidade de 22,7 a cada 100 domicílios.

A Claro/Net, com 49,2% do mercado e 7,77 milhões de assinaturas, está disparado na frente. A segunda colocada é a SKY/AT&T, com 29,7% de fatia de mercado, ou 4,69 milhões de assinantes. A Oi tem 9,6% de mercado e 1,52 milhões de clientes. A Vivo chega em quarto com 8,4% de fatia e 1,32 milhões de assinantes.

Reclamações na Anatel

A Anatel também apresentou o relatório dos atendimentos aos consumidores, que alcançaram 2,98 milhões de reclamações contra as prestadoras de telecomunicações no ano passado. Em relação a 2018, isso significa crescimento da ordem de 1,28%, ou 37,5 mil reclamações.

“Esse é um dos volumes mais baixos dos últimos anos e representa queda de aproximadamente 27% em relação ao ano de 2015”, explica a agência.

A nota segue mostrando que “questões relacionadas à cobrança e ao crédito pré-pago foram os maiores motivadores de registros: foram cerca de 1,24 milhão deles em 2019, ou 42% do total das reclamações. Reclamações envolvendo a qualidade e o funcionamento dos serviços, por outro lado, sofreram redução significativa, de quase 10% em números absolutos, ou 53 mil. Em 2019, reclamações sobre qualidade e funcionamento corresponderam a 16% das reclamações registradas na Anatel, contra 18% no ano anterior”.