Cases da Bolsa: como usar a análise fundamentalista na prática? Descubra aqui

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Balanços de empresas -Foto: Creative Commons

Você é daqueles que negocia uma ação já sabendo de antemão o patrimônio e a saúde financeira da empresa ou toma decisões baseadas tão somente no momento do ativo? Se é o seu caso precisa conhecer a análise fundamentalista.

A análise fundamentalista vai na contramão do “oba oba” comum na Bolsa, muitas vezes pautado por especulações e boatos. 

O trader fundamentalista tem uma visão mais real do ativo. Ele avalia diversas informações financeiras da empresa, tais como: 

  • Patrimônio;
  • Balanços;
  • Projeções;
  • Dividendos;
  • Aquisições; 
  • Entre outras informações.

No entanto, a análise fundamentalista não se resume à visão contábil de uma empresa. Seus estudos também direcionam para informações de noticiários referentes à área de atuação da instituição.

Vários fatores externos compõem essa análise, como por exemplo:

  • Fatores econômicos;
  • Fatores naturais;
  • Políticos;
  • Diplomáticos.

Deu para perceber que a análise fundamentalista se torna muito ampla se colocado esse conjunto de dados no papel.  

Por isso, o Eu Quero Investir irá apresentar alguns indicadores de ordem fundamentalista que ajudarão a enxergar o mercado financeiro de uma forma mais sólida. 

VPA (Valor Patrimonial da Ação)

É importante dizer que o preço de um ativo no pregão não necessariamente reflete o valor “real” do ativo.

A explicação é simples: muitas vezes o preço do papel sofre alterações devido a especulações positivas ou negativas. Além disso, um boato pode mudar completamente o preço da ação. Põe nessa conta também eventuais projeções da ação.

Como dissemos, a análise fundamentalista mira projetar o valor patrimonial desse ativo.

A partir disso, vamos explicar o que é Valor Patrimonial por Ação (VPA).

Em resumo, o VPA é um indicador do valor patrimonial líquido da empresa. Ou seja, a ideia desse indicador é verificar se o preço praticado no mercado está batendo com o valor patrimonial.

Desta forma, com base no resultado apresentado usando o VPA, o trader analisará se um determinado ativo está com o preço abaixo do mercado ou se está acima do mercado.

Lembrando que o ideal é fazer um estudo amplo para operar, não usando apenas o VPA como referência.

Para calcular o VPA é necessário saber o patrimônio líquido de uma empresa (PL). 

Vale lembrar que PL é o resultado da soma de todos os ativos com os passivos. Por fim, o que sobrou é o patrimônio líquido. 

Portanto, o cálculo do VPA é simples. Basta pegar o patrimônio líquido de uma empresa e dividir pela quantidade de ações que essa empresa jogou no mercado.

Exemplo

Imagine que uma empresa A teve patrimônio líquido de R$ 300 milhões. Essa empresa emitiu 30 milhões de ações.

O cálculo será 300 milhões dividido por 30 milhões. Portanto, o VPA dessa empresa é de R$ 10.

Imagine que a ação dessa empresa esteja custando R$ 15 na Bolsa.

Seguindo esse valor, vamos dividir o preço praticado no mercado (P) pelo VPA.

Assim, teremos 15 dividido por 10. O resultado de P/VPA é 1,5.

Ou seja: o valor no pregão está 50% maior do que o Valor Patrimonial da Ação. Em resumo temos:

  • Se o P/VPA for igual a 1, sinal que o preço no mercado está igual ao valor patrimonial da empresa
  • Se o P/VPA for superior a 1, sinal que o preço no mercado está acima do valor patrimonial da empresa
  • Se o P/VPA for inferior a 1, sinal que o preço no mercado está acima do valor patrimonial da empresa

Dividend Yeld

Outro indicador de análise fundamentalista, o Dividend Yeld (DY), mede o rendimento de uma empresa de acordo com os dividendos pagos.

Dividend Yeld pode ser traduzido por Rendimentos de Dividendos. Esse indicador é importante para buscar empresas que apresentam melhor relação no pagamento de proventos por ação.

O cálculo DY é feito da seguinte forma: pega-se os dividendos pagos por ação, divide pelo valor atual da ação e multiplica por 100.

Exemplo

Pense numa empresa que oferece R$ 3 de dividendo por ação. A ação está custando R$ 50.

Desta forma, o cálculo será: (3÷50) x 100 = 6%.

Em outras palavras, o Dividend Yeld informa que cada ação dessa empresa está oferecendo 6% de retorno em dividendos.

Um conselho importante: quando um cálculo do DY apresenta porcentagem alta, isso nem sempre quer dizer que o provento é alto. Isso pode ser sinal de que o preço da ação está muito desvalorizado. 

Por isso, é aconselhável usar mais de um indicador para analisar uma ação.

Fatos externos impactam o valor das ações

A análise fundamentalista mistura informações de dentro da empresa e fora dela.

Vamos pegar o exemplo da Petrobrás. Levando em consideração seu histórico recente, a petroleira levou três tombos homéricos por razões externas. 

O primeiro deles veio no começo de 2020, com a pandemia do Covid-19, que afetou todo o mercado financeiro. 

A segunda bomba aconteceu em março de 2020 por causa da crise econômica e diplomática envolvendo a Rússia e Arábia Saudita. 

Os dois países não se acertaram e prometeram continuar produzindo petróleo, muito mais do que era necessário naquele momento de pandemia. Por essa razão, o petróleo encalhou, gerando uma enorme desvalorização do preço do petróleo pelo mundo.

Por fim, a mais recente pancada ocorreu em fevereiro, quando o presidente Jair Bolsonaro demitiu o então presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco. Em seu lugar, foi nomeado o general Joaquim Silva e Luna. Com isso, a ação da empresa despencou. 

Antes da troca, a PETR4 custava R$ 27,33. Depois da troca de comando, o papel fechou em R$ 21,67.

Logicamente que é difícil antever notícias como essas, mas o investidor fundamentalista visa:

  • Encontrar oportunidades de negociação a partir do monitoramento das informações;
  • Se proteger/minimizar prejuízos a partir do monitoramento das informações.

(Por Bruno Thadeu)