Ambev (ABEV3) divulga balanço amanhã com expectativa de avanço no lucro

Rebeca Torres
null

Crédito: Reprodução / Pixabay

A Ambev (ABEV3) divulga seus resultados nesta quinta-feira (27), antes da abertura dos mercados, e os analistas projetam uma alta no lucro e no volume de cervejas vendidas.

De acordo com o consenso da Bloomberg, o lucro da Ambev deve aumentar 8,7% no quarto trimestre do ano passado, na comparação com o mesmo período de 2018, a R$ 4,045 bilhões.

Para o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês), a expectativa é por uma retração de 5,7%, a R$ 7,043 bilhões – com uma margem de 43,5% (-3,1 pontos porcentuais).

Descubra novos caminhos para multiplicar seu patrimônio. Aprenda hoje a investir R$ 300 mil com os melhores desempenhos.

Em relação à receita, o consenso da Bloomberg estima uma expansão de 1%, a R$ 16,179 bilhões.

Recuperação no volume

Os dados do quarto trimestre devem gerar uma reversão dos dados negativos de volume de vendas de cerveja no Brasil, após a retração de 2,8% na base anual registrada no terceiro trimestre deste ano.

“A nossa expectativa para venda de volume de cerveja no quarto trimestre está perto de 2,5% de crescimento na base de comparação anual, enquanto as indicações são de que os competidores seguirão os passos da Ambev com relação ao aumento de preço”, informou o Credit Suisse em relatório.

Para o setor de bebidas não alcoólicas no Brasil, a expectativa é por um crescimento de 5,5% e 6% anual de volume e receita por hectolitro respectivamente, permanecendo os mesmos níveis vistos nos trimestres anteriores.

Fatia de mercado

Segundo informações do InfoMoney, a pesquisa de inteligência de mercado da Nielsen apontou que a Ambev enfrentou uma perda de 2,3% da sua participação de mercado de cerveja (para 59,4%) ao longo de 2019.

Enquanto isso, a Heineken viu seu volume de vendas subir 4,1% no mundo, ao longo do quarto trimestre, puxado pelo desempenho de alta de crescimento de dois dígitos em países como Brasil, Vietnã e Camboja.

Dessa forma, o Brasil se tornou o país com o maior mercado da marca Heineken (sem incluir outros produtos) no mundo todo, apesar de não terem sido revelados dados concretos sobre a operação no país.