Ambev (ABEV3) aumenta capital; Sabesp (SBSP3) emitirá debêntures de até R$ 1,2 bilhão

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Divulgação

A Ambev (ABEV3) detalhou nesta quinta-feira (10) o aumento de capital social fruto da emissão de novas ações a serem entregues a beneficiários dos programas de opções de compra de ações da companhia que exerçam suas respectivas opções.

Tendo em vista os exercícios de opções ocorridos entre 12 de maio e 1º de junho de 2021, houve a emissão total de 284.552 novas ações ordinárias, pelo valor aproximado R$ 3,581 milhões. Assim, o capital social passa de R$ 57.973.874.024,26 para R$ 57.977.455.079,06.

O capital social da Ambev também passou a ser dividido em 15.739.527.854 ações ordinárias (ABEV3).

Aprenda hoje a investir em Small Caps e encontre as oportunidades escondidas na Bolsa.

Sabesp (SBSP3) emitirá debêntures de até R$ 1,2 bilhão

A Sabesp (SBSP3) informou hoje a 28ª emissão de debêntures simples, em até três séries. O valor total da Emissão será de até R$ 1,2 bilhão.

A emissão será realizada em até três séries, com alocação no sistema de vasos comunicantes, observado que a quantidade de debêntures de quaisquer séries deverá ser diminuída da quantidade total de debêntures, limitando, portanto, a quantidade a ser alocada nas demais séries. Serão emitidas, no máximo, 300.000 debêntures da Primeira Série. No total, entre as três, até 1,2 milhão de debêntures. A data da emissão será 15 de julho de 2021.

O valor unitário de cada debênture é de R$ 1 mil, sem garantia.

Os recursos provenientes da captação serão destinados ao refinanciamento de compromissos financeiros vincendos em 2021 e à recomposição de caixa.

As debêntures da Primeira Série terão seu vencimento em três anos, contados da data de emissão. Ou seja, em 15 de julho de 2024.

As da Segunda Série terão seu vencimento em cinco anos: 15 de julho de 2026; e as da Terceira Série, sete anos: será 15 de julho de 2028.

As da Primeira Série farão jus a uma remuneração correspondente a 100% da variação acumulada das taxas médias diárias dos DI –Depósitos Interfinanceiros de um dia, acrescida do spread a ser definida no Procedimento de Bookbuilding, limitado a 1,24%.

“A remuneração da Primeira Série será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis, por Dias Úteis decorridos, incidente sobre o Valor Nominal Unitário das Debêntures da Primeira Série (ou saldo do Valor Nominal Unitário das Debêntures da Primeira Série, conforme o caso), desde a Primeira Data de Integralização ou a última Data de Pagamento da Remuneração da Primeira Série, e paga ao final de cada período de rentabilidade”, explicou a Sabesp.

A remuneração das da Segunda Série são idênticas à da Primeira, excetuando o spread, que sobe ao limite de 1,44%. O mesmo ocorre com as da Terceira Série, com spread passado ao limite de 1,60%.

Cemig (CMIG4): fundo FIA Dinâmica Energia eleva participação para 12%

A Cemig (CMIG4) recebeu correspondência do Banco Clássico informando que no último dia 9 de junho, por meio do seu fundo exclusivo FIA Dinâmica Energia, adquiriu o montante de 2.000.000 de ações preferenciais da empresa mineira.

Assim, o FIA Dinâmica Energia passou a deter 12% de participação no capital da companhia, sendo 146.668.528 (25,91%) de ações ON e 56.560.257 (5,01%) de ações PN.

Antes da operação, o Banco Clássico informou que detinha 10,47% do capital total da Cemig, sendo 25,15% das ações ON e 3,09% das ações PN.

Como de praxe, o Banco Clássico disse que o objetivo da operação é “diversificar os investimentos em energia elétrica do FIA Dinâmica Energia ao mesmo tempo em que procura direcionar parte dos investimentos do Banco para o setor de infraestrutura do País”.

Ambipar (AMBP3) anuncia aquisição da Metal Ar Engenharia

A Ambipar (AMBP3) informou hoje a aquisição de 100% da Metal Ar Engenharia, através de sua controlada direta, Environmental Participações.

“A Metal Ar atua há 54 anos no gerenciamento, movimentação e tratamento de resíduos, coprocessamento, valorização de recicláveis, perfuração, carregamento e transporte de rocha com foco principal no setor de mineração”, sublinhou a Ambipar.

E seguiu: “possui sistema próprio de gerenciamento de mina, equipamentos com tecnologias especificas que garantem a eficiência, segurança e qualidade nos serviços prestados nas operações em São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Bahia e Alagoas. Em 2020 apresentou uma receita líquida de R$ 114 milhões”.

Com a operação, a Ambipar pode atuar no setor de mineração e na oferta de soluções para gerenciamento total de resíduos, além de diversificar a carteira de clientes e gerar futuro cross selling, “em linha com o seu plano estratégico de crescimento, com captura de sinergias e potencial maximização das margens e retorno”.

A aquisição não será submetida à aprovação dos seus acionistas, já que foi realizada por meio de sua subsidiária, de capital fechado.

Gerdau (GGBR4) tem alteração acionária

A Gerdau (GGBR4) recebeu hoje comunicado que a Schroders Investment alienou 6.731.373 ações da empresa gaúcha.

Com a alienação, o Grupo Schroders detêm 53.675.127 ações preferenciais (GGBR4), que representam 4,68% do total desse tipo de ações.

O investidores ainda ressaltaram que “não há contratos celebrados pelo Grupo Schroders contendo disposições relativas a direitos de voto ou compra e venda de valores mobiliários emitidos pela Gerdau”.

Equatorial (EQTL3) anuncia aquisição da E-Nova por R$ 7,5 milhões

A Equatorial (EQTL3) realizou a aquisição de 100% das quotas da E-Nova, pelo valor aproximado de R$ 7,5 milhões.

Segundo a empresa, “a operação contribuirá para acelerar a atuação da Equatorial em um novo segmento de mercado, com foco em oferecer soluções técnicas em eficiência energética e geração de energia elétrica a partir de fontes renováveis, inclusive por meio da geração distribuída, o que permitirá a Companhia avançar em sua estratégia de criação de valor”.