Alemanha desmente Salles e nega acordo por avanço no Fundo Amazônia

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Foto: José Cruz/Agência Brasil

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, recentemente declarou ao jornal Valor Econômico que a Alemanha já havia sinalizado positivamente às mudanças promovidas pelo governo brasileiro na gestão do Fundo Amazônia, programa bilionário de proteção à floresta e que conta com doações germânicas e da Noruega.

“A Alemanha já topou. Só falta a Noruega”, cravou Salles, após afirmar que o governo brasileiro havia entregado uma minuta com os novos termos aos doadores, que estariam “estudando a proposta”.

Na sexta-feira (6) à tarde, no entanto, a embaixada da Alemanha no Brasil surpreendeu ao afirmar que não houve qualquer avanço relativo a um novo acordo no Fundo Amazônia.

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

Em nota emitida ao jornal Folha de S.Paulo, os alemães confirmaram que a proposta realmente foi entregue, mas afirmaram que ela “segue em avaliação”.

“A Embaixada recebeu no início dessa semana, uma proposta formal do BNDES para reformular o Fundo Amazônia, autorizada, segundo o BNDES, pelo Ministro Salles. Esta proposta está em avaliação e a Alemanha não comentou o assunto até o momento com o lado brasileiro”, diz o comunicado.

Segundo desencontro

Essa não é a primeira vez que as declarações do ministro Ricardo Salles são desmentidas. Em maio deste ano, Salles convocou uma coletiva de imprensa para informar que havia detectado irregularidades no Fundo e que os países doadores (Noruega e Alemanha) tinham ciência da intenção de Bolsonaro fazer alterações na proposta.

Pouco depois da coletiva, uma nota emitida pela Embaixada da Noruega foi exatamente contrária às informações do ministro. “Não recebemos nenhuma proposta das autoridades brasileiras para alterar a estrutura de governança ou os critérios de alocação de recursos do Fundo”.