Alcolumbre só vai comentar atos anti-Congresso após reunião com Bolsonaro

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Wikimedia

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), não pretende se manifestar, por enquanto, sobre os vídeos compartilhados pelo presidente Jair Bolsonaro, convocando para manifestações contra o Congresso.

Segundo o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), Alcolumbre “Não se manifestou e nem vai se manifestar. Só quando conversar com o presidente e os líderes”. As informações são do Congresso em Foco.

O presidente do Senado marcou para a próxima terça-feira (3) a análise de vetos presidenciais. Entre eles, aquele que pode deixar sob controle do Congresso cerca de R$ 30 bilhões do orçamento direcionado às bases eleitorais.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Os atos anti-Congresso marcados para o dia 15 versam principalmente contra o aumento do poder de deputados e senadores na destinação de verbas.

O presidente Jair Bolsonaro havia vetado esse trecho do orçamento de 2020, no entanto, precisa ser ratificado pelo Congresso. Através de acordo entre Executivo e Legislativo, o veto de Bolsonaro seria derrubado e R$11 bilhões dos R$ 30 bilhões seriam de poder dos ministros.

Contudo, o governo acredita ter votos suficientes para manter o veto e derrubar o orçamento impositivo.

Por outro lado, se o governo não cumprir o acordo, líderes do Centrão prometem derrubar totalmente o veto e ficar com o controle dos R$ 30 bilhões.

Para Eduardo Gomes, ainda é cedo para avaliar o impacto da tensão causada por Bolsonaro nas votações do Poder Legislativo.

O líder do governo no Congresso confirmou ainda a intensificação nas articulações para que Planalto e Congresso confirmem o acordo de meio-termo sobre o orçamento impositivo.