Termina em dezembro prazo para fazer PGBL e reduzir o IR

Karin Barros
Jornalista com atuação nos dois principais jornais impressos da Grande Florianópolis por quase 10 anos. Costumo dizer que sou viciada em informação, por isso me encantei com a economia, que une tudo de alguma forma sempre. Atualmente também vivo intensamente o mundo da assessoria de imprensa e do PR.
1

Crédito: pexels-pixabay-209224

Segue até o final deste mês o prazo para adquirir um plano de previdência privada tipo PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) a fim de garantir o abatimento de parte do valor investido da base de cálculo do IR (imposto de renda) no próximo ano.

Desta maneira você consegue reduzir a quantia paga para o Leão ou engordar a próxima restituição.

Muitas instituições chamam a atenção para esse prazo porque é ao final do ano que se tem uma ideia dos ganhos auferidos e do imposto a ser pago.

Mas a opção de adquirir um plano de previdência pode ser feito a qualquer momento do ano.

Como funciona?

As contribuições feitas a planos PGBL podem ser deduzidas do IR até o limite de 12% dos rendimentos tributáveis.

Por exemplo, caso os rendimentos tributáveis de uma pessoa somem R$ 100 mil, o montante a ser deduzido é de até R$ 12 mil. E a base de cálculo do IR passa a ser R$ 88 mil. Assim o imposto a pagar ou a restituição pode ser maior.

Além do salário anual, rendimentos tributáveis são todos os ganhos ao longo do ano, como bônus, aluguel de imóveis, pensão e aposentadoria recebidas do INSS.

Lembrando que algumas receitas extras, como 13º salário e uma eventual PLR (Participação nos Lucros e Resultados) da empresa não fazem parte da lista. Esses são rendimentos tributados na fonte.

A aplicação em um PGBL pode ser uma alternativa de investimento para garantir essa vantagem tributária, porém há algumas restrições.

Modelo completo do IR

O benefício fiscal só vale a pena para quem entrega a declaração de IR pelo modelo completo. Na declaração simplificada, há um desconto padrão de 20% sobre o valor dos rendimentos tributáveis, limitado a R$ 16.754,34.

Já a declaração completa é recomendada para quem possui muitas despesas dedutíveis, como dependentes e gastos com saúde e educação, que ultrapassem o limite do desconto simplificado.

Também só é permitido usar o PGBL para reduzir o imposto de quem contribui para o INSS ou outro regime de previdência social, como o de servidores públicos.

Adiamento do pagamento

Importante saber que a adesão a este tipo de plano de previdência reduz o imposto na fase de acumulação. Ou seja, nos anos em que se faz depósitos.

Porém, no resgate, o imposto será cobrado. Então, o pagamento é apenas adiado.

E o cálculo desse imposto ao final é feito com base em todas as contribuições e juros. E não apenas em cima do rendimento, como em outras aplicações financeiras.

Regime de tributação

Outro ponto importante é que essa vantagem só é possível para os planos PGBL com tabela progressiva do imposto de renda. Existem planos PGBL que utilizam a tabela regressiva. A opção pela tabela de seu plano é feita no momento da contratação.

Leia mais aqui para entender como funciona a tributação ou consulte um assessor de investimentos caso tenha dúvidas.

A tabela progressiva é recomendada para objetivos de curto prazo com um volume menor de recursos acumulados.

A regressiva é recomendada para metas de longo prazo com uma soma maior de dinheiro acumulado.

Outra vantagem dos planos de previdência é que não há incidência do chamado “come-cotas”, uma cobrança semestral de IR que incide sobre o rendimento dos fundos de investimento, feita nos meses de maio e novembro, com exceção dos fundos de ações.

Gostaria de ter orientação sobre como investir em previdência e qual plano é mais indicado para você? Preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos poderá ajudá-lo ou ajudá-la nesta jornada.