Agropecuária deve superar R$ 1 tri no ano, prevê ministério

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: BrasilAgro/Divulgação

O Ministério da Agricultura revisou – para cima – as projeções sobre a Agropecuária para 2021. De acordo com o novo relatório, divulgado nesta segunda (12), a expectativa é bastante positiva.

Segundo o Ministério, o Valor Bruto da Produção (VBP) deve passar de R$ 1 trilhão até o fim de dezembro.

O aumento, em valores reais, será de 12,4% em relação ao registrado em 2020 – R$ 1,058 trilhão contra R$ 940,9 bilhões.

O crescimento está dividido da seguinte forma: as lavouras com R$ 727,7 bilhões(16,1% de alta) e a pecuária com R$ 330,1 bilhões (5,1% a mais que no ano passado).

A soma é a maior já vista no setor desde 1989, de acordo com o levantamento da Coordenação-Geral de Avaliação de Política e Informação do Ministério da Agricultura.

Soja, milho e carne comandam agropecuária

O boom do setor vem seguindo o panorama dos últimos três anos, com soja e milho se destacando na agricultura, e carne bovina na pecuária.

Conforme o próprio Ministério da Agricultura divulgou, “nos últimos três anos, soja e milho têm apresentado recordes sucessivos de faturamento. A soma dessas duas atividades resultou num valor 65,4% do VBP das lavouras. Em valores absolutos, a soja apresenta uma estimativa de R$ 345,9 bilhões e o milho, R$ 129,9 bilhões. A demanda interna e o comportamento dos mercados, dos Estados Unidos e da China, têm sido os principais responsáveis por esse crescimento”.

A carne bovina, aliada à proteína de frango e ao leite, representaram, somadas, 86,2% da pecuária, sendo que 45% foram apenas da carne bovina.

Merecem destaque ainda produtos como algodão, arroz, laranja, trigo e uva.

Em baixa

Do outro lado da balança da agropecuária estão produtos como banana, batata inglesa, tomate e café. Os três primeiros por conta da redução de preço, e o último afetado pelas secas.

Segundo o Ministério da Agricultura, foram 25 produtos analisados no recente levantamento, sendo que 16 apresentam preços superiores aos do ano passado.

Mato Grosso, Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás são as unidades de maior destaque, com 71,2% da soma do VBP total do País.