Agenda da semana tem decisão do Fed e dados sobre inflação e emprego no Brasil

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Freepik

A agenda da semana que se encerrou foi marcada, no Brasil, pelo desfecho na questão do Orçamento de 2021. Ainda que não um texto perfeito, e suscetível a muitas críticas, ao menos ele aliviou o mercado quanto ao risco do estouro no teto de gastos. Este, garantem os cálculos da equipe econômica, está mantido.

A sanção presidencial teve veto parcial, cortando R$ 19,8 bilhões de dotações orçamentárias. Dentro deste valor, R$ 10,5 bilhões foram em emendas do relator; R$ 1,4 bilhão em emendas de comissões do Congresso; e R$ 7,9 bilhões em despesas discricionárias. Há um bloqueio adicional de R$ 9,3 bilhões, não especificado, que pode ser liberado até o fim deste ano – com ele, o valor se aproxima dos R$ 30 bilhões que eram necessários cortar.

O presidente Jair Bolsonaro também marcou presença na Cúpula do Clima, com um discurso diferente do que vinha apresentando até aqui e disposto – pelo menos em sua fala – a agir para conter o desmatamento.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Ele prometeu zerar o desmatamento ilegal até 2030 e, ainda, antecipar em dez anos a neutralidade da emissão de gases de efeito estufa – de 2060 para 2050.

Proposta para dobrar imposto sobre ganhos de capital nos EUA

No exterior, destaque para a proposta de Joe Biden de dobrar as taxas sobre os ganhos de capital de que tem renda superior a US$ 1 milhão por ano. Na semana que se inicia, o tema deve voltar a ser abordado, com os investidores em busca de mais detalhes sobre o projeto.

A Covid-19 segue preocupando, com a escalada do número de casos na Índia e no Japão. No Brasil, o fim da imunização dos grupos prioritários foi adiada de maio para setembro, atrasando assim a expectativa de retomada da normalidade.

Para a semana que se inicia, todos os temas citados seguem no radar e tem ainda mais divulgações e eventos que merecem a atenção do investidor, com destaque especial para o discurso de Jerome Powell, presidente do banco central americano, e a decisão de juros por lá. Veja o que vai rolar na semana.

Reunião do Fomc é destaque da agenda

O comitê de política monetária do Federal Reserve (Fed) apresenta na quarta-feira (28) sua decisão sobre os juros nos Estados Unidos. Até aqui, a postura do Fed tem sido a de tranquilizar o mercado quanto ao risco inflacionário, garantindo juros zerados até 2023. O que o mercado quer saber é se haverá qualquer mudança no discurso dovish do presidente do Fed, Jerome Powell.

Prévia do PIB dos EUA

Na quinta-feira (29) sai a prévia do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA para o primeiro trimestre de 2021. A projeção é de alta de 6,5%, ante 4,3% do quarto trimestre de 2020.

Se confirmado, o número indicará retomada do crescimento, após ter alcançado números recordes (tanto de queda quanto de recuperação) em 2020, por conta da pandemia.

Vale lembrar que, no terceiro trimestre, o PIB real dos EUA aumentou 33,4%, uma marca recorde no país. Enquanto que, no segundo trimestre, caiu 31,4%. E no primeiro, recuou 5%.

A retomada do crescimento nos EUA está vinculada a dois temas bastante recorrentes no mercado: a taxa de juros, que pode subir antes do anunciado pelo Fed se a inflação acelerar demais; e o pacote de infraestrutura em discussão entre Biden e congressistas. O entendimento do mercado é que, se houver recuperação consistente da economia, o projeto de Biden fica desidratado.

Agenda tem dados de emprego no Brasil

Ao longa da semana, dois indicadores darão um panorama do mercado de trabalho no Brasil e os efeitos da pandemia sobre ele.

Na quarta-feira (28) tem divulgação do Caged, do Ministério do Trabalho, que apontou em sua última leitura a criação de mais de 400 mil vagas de trabalho com carteira assinada no país em fevereiro. O ministro da Economia, Paulo Guedes, comemorou o dado, ressaltando o vigor e a resiliência da economia brasileira, mesmo sob crise.

Entretanto, os dados de fevereiro não contabilizavam as novas medidas de distanciamento adotadas em março.

Na sexta (30), será divulgada a Pnad Contínua, do IBGE, com a taxa de desemprego. Em sua última leitura, ela ficou estável em 14,2%. Ainda assim, o número é o mais alto já registrado para igual período de análise.

Prévia da inflação na agenda

Na terça-feira (27) será divulgado, pelo IBGE, o IPCA-15, considerado uma prévia da inflação. A projeção é de alta de 0,96% em abril, na comparação com março. No mês anterior, a leitura foi de alta de 0,93% no mês e de 5,52% na comparação anual.

IGP-M de abril

Na quinta (29), sai a leitura final do IGP-M de abril, da FGV. Na segunda prévia do mês, o indicador subiu 1,17%, ante 2,98% no mesmo período do mês anterior. Na primeira leitura de abril, a alta foi inferior, de 0,50%.

Se o 1,17% for confirmado, a alta acumulada em 12 meses passará de 31,15% para 31,57%.

O IGP-M é o indicador atualmente utilizado para reajuste do aluguel, mas, devido à alta do índice, muito vinculado ao preço das commodities, vem sendo substituído nas negociações pelo IPCA. A FGV já admite, inclusive, que estuda substituir o indicador do aluguel.

Agenda de IPOs

A semana promete ser agitada na bolsa de valores, B3. Nove ofertas iniciais de ações, IPOs, estão programadas para acontecer entre 26 e 30 de abril, com destaque para a Caixa Seguridade.

Confira a lista dos IPOs da semana:

Agenda da semana

Segunda-feira, 26 de abril

  • IPC-Fipe (terceira prévia de abril), Fipe
  • IPC-S (terceira prévia de abril), FGV
  • Boletim Focus, do Banco Central
  • Transações Correntes Brasil, Banco Central
  • Investimento Estrangeiro Direto, Banco Central
  • Sondagem Industrial Brasil, CNI
  • IPO da GPS Participações e Empreendimentos (GGPS3)

Terça-feira, 27 de abril

  • Sondagem da Construção, FGV
  • Índice Nacional de Custos da Construção, FGV
  • IPCA-15, IBGE
  • Confiança do Consumidor EUA, Conference Board

Quarta-feira, 28 de abril

  • Sondagem do Consumidor, FGV
  • Sondagem do Comércio, FGV
  • Fluxo cambial estrangeiro Brasil, Banco Central
  • Relatório Mensal da Dívida Pública, Tesouro Nacional
  • Caged, Ministério do Trabalho
  • Decisão do Fed sobre juros nos EUA
  • Sondagem da Construção, CNI
  • IPO Hospital Care Caledonia (HCAR3)
  • IPO da Rio Alto Energias Renováveis (RIOS3)

Quinta-feira, 29 de abril

  • IGP-M, FGV, de abril
  • Sondagem da Indústria, FGV
  • PIB do primeiro trimestre de 2021 dos EUA (prévia)
  • Pedidos iniciais por seguro-desemprego nos EUA
  • Resultado Primário do Governo Central
  • Índice de Confiança Empresarial CNI
  • PMI da China
  • IPO da Caixa Seguridade
  • IPO da Infracommerce
  • IPO da Boa Safra Sementes

Sexta-feira, 30 de abril

  • Sondagem de Serviços, FGV
  • Indicador de Incerteza da Economia Brasileira, FGV
  • PIB da zona do euro do primeiro trimestre de 2021 (prévia)
  • Taxa de desemprego na zona do euro
  • Índice de Preços ao Consumidor da zona do euro
  • Índice de preços de gastos com consumo (PCE) dos EUA
  • Pnad Contínua com taxa de desemprego no Brasil, IBGE
  • IPO Banco Modal
  • IPO Vittia
  • IPO Kora Saúde