Agência Fitch vê recessão global “sem precedentes” em 2020

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação / DW

A Fitch, agência de classificação de risco, declarou que há chance de acontecer uma recessão global sem precedentes por conta da crise do coronavírus.

Em relatório distribuído aos clientes e reproduzido pelo Estadão Conteúdo, a agência apontou para um PIB negativo de 3,9% em 2020.

Segundo a Fitch, esse número caracterizaria um cenário “de profundidade sem precedentes no período pós-guerra”.

“Isso é duas vezes maior do que o declínio antecipado em nossa atualização do início de abril e seria duas vezes mais severo do que a recessão de 2009”, comparou Brian Coulton, economista-chefe da Fitch Ratings.

Zona do euro

Se a projeção global é pessimista, ela fica ainda mais nebulosa quando dividida entre as principais regiões do planeta.

O relatório da Fitch apontou que, na zona do euro, a retração do PIB pode chegar aos 7%. Nos Estados Unidos, a projeção é de 5,6% e, no Reino Unido, a queda prevista do PIB é de 6,3% em 2020.

A Itália e a Espanha, regiões que seguem sendo as mais afetadas pela pandemia de coronavírus na Europa, também têm cenários ruins economicamente à frente.

A projeção para a Itália é de queda de 8% no PIB, enquanto que, para a Espanha, a Fitch previu uma retração de 5% nos primeiros trimestres.

Brasil e demais emergentes

A Fitch revisou ainda mais para baixo as notas dos países considerados emergentes, incluindo o Brasil. Para o território verde e amarelo, a projeção é de queda de quatro pontos percentuais no PIB.

“Com China e Índia provavelmente com crescimento inferior a 1% neste ano, agora esperamos contração dos países emergentes em 2020 (-0,5%), um acontecimento sem precedentes desde pelo menos a década de 1980”, diz o relatório da agência.

A empresa ainda analisou o que deverá ocorrer com o PIB na África do Sul, Rússia, México e Turquia, mas os números não foram colocados no relatório distribuído à imprensa.

Perdas de US$ 4,5 trilhões

Brian Coulton fez uma “conta rápida” para calcular o prejuízo que a pandemia de coronavírus causará ao PIB nacional em 2020.

Segundo o economista-chefe da Fitch Ratings, o declínio de 4% no ano é equivalente a uma perda de US$ 2,8 trilhões nos níveis de renda global em relação a 2019, e a uma queda de US$ 4,5 trilhões em relação às nossas expectativas pré-vírus em relação ao PIB global em 2020.

PIB brasileiro pode sofrer retração de até 6% em 2020, apontam instituições