Acordo entre China e Estados Unidos pode afetar mercados agrícolas no Brasil e na Argentina

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

O avanço do acordo comercial entre China e Estados Unidos, sacramentado em sua fase um na última sexta-feira (13), pode atingir em cheio Brasil e Argentina.

Segundo reportagem do Estadão/Broadcast, o compromisso chinês de aumentar de maneira expressiva a compra de produtos agrícolas norte-americanos terá impacto direto na economia dos dois países sul-americanos.

Substituição das ofertas

Analistas do Goldman Sachs cravaram que o acordo será “altamente disruptivo para mercados agrícolas globais”, já que, segundo as previsões, a China deve investir entre US$ 40 e US$ 50 bilhões por ano nesses produtos, bem mais do que os US$ 24 bi aplicados em 2017.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

O efeito principal seria substituir, em parte, “as ofertas de Brasil e Argentina, que aumentaram substancialmente suas participações no mercado desde 2017”.