Abrapp revela que fundos de pensão fecharam 2019 com 13,06% de rentabilidade

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Getty Images

Os fundos de pensão tiveram um rendimento de 13,06% em 2019. Essa foi a revelação do mais recente relatório divulgado pela Abrapp (Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar), de acordo com nota publicada pela Agência Brasil.

O total dos patrimônios em outubro de 2019 chegou a R$ 959 bilhões, o que equivale a 13,4% de todo o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, e 7% maior do que o registrado no mesmo mês do ano anterior.

Luis Ricardo Martins, presidente da Associação, mostrou otimismo em ver os números se multiplicarem nos próximos anos.

“A previsão é que o patrimônio chegue a R$ 1 trilhão ainda neste primeiro semestre e duplique para R$ 2 trilhões em duas décadas”, projetou.

O principal responsável pelo aumento do rendimento, de acordo com o executivo, foi o anúncio da Reforma da Previdência, ainda em 2016.

“Tem uma demanda reprimida e temos obrigação de criar mecanismos para que essas pessoas possam ingressar em um plano fechado de previdência privada, começando pelos planos familiares. Mas acho que o segmento fechado nunca esteve tão aberto”.

Atrair os millennials

De acordo com Luis Ricardo Martins, será preciso uma “reinvenção” para, em um futuro próximo, atrair uma nova geração de pessoas, também conhecidas como geração Y, as nascidas entre o período da década de 80 até o começo dos anos 2000.

“Precisamos de um plano de previdência flexível, identificando com muita transparência, porque se for muito complicado ele não vai entrar, esse é um primeiro ponto. Dentro dessa revolução o nosso segmento precisa se adaptar a isso e, nessa linha, estamos trabalhamos na reestruturação de novos produtos”, concluiu.