Abrafrigo: Exportação de carne bovina sobe 9,1% no 1º semestre

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução

A Abrafrigo (Associação Brasileira de Frigoríficos) informou que a exportação de carne bovina brasileira subiu 9,1% no primeiro semestre de 2020.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

O total de carne embarcada para fora do País foi de 909.725 toneladas, o que rendeu um aumento de 26% nas receitas, que atingiram US$ 3,9 bilhões no período.

O mês de junho foi marcante e determinante para a alta. Apenas entre os dias 1 e 30 de junho o País exportou 172.361 toneladas de carne bovina, aumento de 28% em relação ao mesmo mês de 2019.

China e Egito comandam importações, segundo Abrafrigo

A Abrafrigo informou também que a China segue sendo o principal destino da carne bovina brasileira.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

O país asiático foi responsável pela aquisição de 365.126 toneladas no semestre, com aumento de 148% em relação ao ano passado.

O total foi de 57% das exportações de carne brasileira, movimentando, em receita, US$ 2,37 bilhões – 60,5% da receita total do País.

O segundo maior consumidor de carne do Brasil foi o Egito, que mandou embarcar 55.750 toneladas, quantidade 30% menor do que no mesmo período de 2019.

O Chile vem na sequência, com 34.062 toneladas (-33%), seguido pela Rússia (33.249), Arábia Saudita (24.571) e Estados Unidos (22.108 toneladas).

Brasil x China: País tem “megassuperávit” de US$ 137,9 bilhões

China deseja renegociação do preço da carne bovina.

A relação comercial entre Brasil e China gerou um superávit de US$ 137,2 bilhões ao País, o maior obtido com qualquer parceiro comercial do mundo em qualquer época.

Segundo relatório publicado pelo site Comex do Brasil, o maior superávit registrado isoladamente foi em 2018, quando as exportações do Brasil para a China bateram na casa dos US$ 63.919 bilhões, e as importações alcançaram US$ 37,73 bilhões.

De acordo com a publicação, à época, o intercâmbio comercial sino-brasileiro superou pela primeira vez a barreira de US$ 100 bilhões, nos dois sentidos.

A série histórica teve início em 1997 e os dados foram compilados e divulgados pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior) do Ministério da Economia.

De acordo com o órgão, nos quatro primeiros anos o Brasil teve déficits nas relações comerciais com a China, mas a situação se reverteu a partir de 2001, com a balança comercial registrando saldo positivo de US$ 681 milhões.

Balança comercial da China tem superávit de US$ 60 bi em maio

O site Comex também divulgou nesta segunda-feira que a China fechou o mês de maio com um superávit de US$ 60 bilhões em mercadorias e serviços.

Segundo a publicação, o comércio de serviços, por sua vez, fechou o período no negativo, em aproximadamente US$ 17 bilhões (70,2 bi de yuans).

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir