Bolsa de valores opera em queda, em mais um dia de aversão global ao risco

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

A bolsa de valores opera em queda de 0,64%, aos 102.156 pontos nesta terça-feira (30), em mais um dia de aversão global ao risco, decorrente da nova variante da Covid-19, ômicron.

No Brasil, o dia é de agenda cheia, com foco na votação, na Comissão de Constituição e Justiça do Senado da PEC dos Precatórios, que abre brecha no orçamento para o pagamento do Auxílio Brasil e muda o cálculo do reajuste anual do teto de gastos. Se aprovada, a PEC segue para votação em plenário. 

O dia também tem dados relevantes de emprego. A Pnad, do IBGE, apresentou taxa de desemprego de 12,6%, ante 13,2% da leitura anterior, e melhor do que a projeção de 12,7%.  

Às 15h30 saem os dados do Caged, com projeção de 260 mil vagas de emprego formal em outubro. 

Ainda pela manhã saiu o resultado do setor público consolidadosuperávit primário de R$ 35,4 bilhões em outubro, ante superávit de R$ 3 bilhões em outubro de 2020. O resultado veio melhor do que a expectativa de R$ 32,550 bilhões.

O dia ainda tem a filiação do presidente Jair Bolsonaro ao PL

Ontem, Câmara e Senado aprovaram as novas regras para as emendas do relator do orçamento, mas ainda há críticas quanto à transparência da liberação dos recursos. 

Mercados do exterior

As bolsas voltam a se abalar com a variante ômicron da Covid-19, cujos riscos potenciais ainda são desconhecidos. Depois de anunciar que poderia ter uma vacina eficaz já em janeiro para a nova cepa, a Moderna deu um passo atrás e admitiu que ainda serão necessários meses de pesquisa.

Sobre o tema, que volta a ameaçar a economia, Jerome Powell, presidente do Fed, e Janet Yellen, secretária do Tesouro, falam hoje ao Comitê Bancário do Senado dos EUA. Os investidores acompanham atentos, na expectativa de novas sinalizações sobre retirada de estímulos e aumento de juros. 

Na zona do euro, a inflação ao consumidor subiu 0,5% em novembro, com alta recorde de 4,9% no ano, acima da expectativa de 4,5% e bem distante da meta de 2%.

na China, o PMI industrial oficial do país subiu para 50,1 em novembro, ante 49,2 pontos de outubro e expectativa de 49,6 pontos. Leituras acima de 50 indicam crescimento da atividade.

Mercados de Nova York

  • Dow Jones: -1,05%
  • S&P: -0,89%
  • Nasdaq: -0,50%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -0,99%
  • FTSE, Reino Unido: -0,82%
  • CAC, França: -1,10%
  • FTSE MIB, Itália: -0,86%
  • Stoxx 600: -0,90%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: -1,63%
  • Xangai, China: +0,03%
  • HSI, Hong Kong: -1,58%
  • ASX 200, Austrália: +0,22%
  • Kospi, Coreia: -2,24%

Petróleo

  • Brent (dezembro 2021): US$ 71,23 (-2,73%)
  • WTI (novembro 2021): US$ 68,11 (-2,63%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2021): US$ 1.794,05 (+0,50%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 95,66 (+2,44%)