Ibovespa opera em queda, Nova York oscila

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Divulgação

O Ibovespa opera em queda de 0,61%, aos 121.955 pontos nesta sexta-feira (21). Os mercados futuros de Nova York seguem em tendência de alta, depois de uma quinta-feira positiva, com Nasdaq fechando a 1,77%.

Em dia de agenda esvaziada, ficam no radar do investidor a repercussão das discussões sobre reformas Administrativa e Tributária. E também da segunda parte do depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello à CPI da Covid.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

Ontem, Pazuello responsabilizou a empresa White Martins e a Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas pela falta de oxigênio hospitalar em Manaus – gerando reações dos acusados e possíveis novos desdobramentos nas próximas semanas. 

Hoje pela manhã, a Exame Invest Pro publicou pesquisa, com 1,2 mil pessoas, sobre o cenário eleitoral para 2022Entre os destaques, está a constatação de que, para maioria, nem Bolsonaro nem Lula mereceriam estar no Palácio do Planalto; mas que o ex-presidente venceria se eleição fosse hoje. 

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.

Situação na América Latina

O Indicador de Clima Econômico da América Latina, medido pela FGV e divulgado nesta sexta-feira (21), avançou de 70,5 para 81,2 pontos entre o primeiro e o segundo trimestre de 2021. 

Segundo a pesquisa, apesar da alta de 10,7 pontos, o indicador continua na zona desfavorável do ciclo econômico, com uma combinação de avaliações desfavoráveis sobre o presente e expectativas otimistas em relação ao futuro próximo.

Destaques no Exterior

O risco de uma terceira onda de Covid-19 ainda assusta, assim como as desconfianças com a inflação. Mas os bons dados econômicos ajudaram no humor em Wall Street.

Ontem, os novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos ficaram em 444 mil, ante 478 mil da semana anterior (ajustados dos 473 mil anunciados anteriormente). O resultado veio melhor do que o mercado projetava, que eram 450 mil novos pedidos.

Este é o nível mais baixo para reivindicações desde 14 de março de 2020, antes do início da pandemia, quando os pedidos chegavam a 256 mil. Ele reforça a tese de que o mercado de trabalho e a economia americana estão em recuperação. Mas dá argumentos ao debate quanto à alta da inflação e, consequentemente, dos juros; e também à necessidade ou não de mais estímulos do governo em um cenário de retomada já em andamento.

A leitura prévia do Índice dos Gerentes de Compras (PMI na sigla em inglês) dos Estados Unidos de maio vieram bastante positivos nesta sexta-feira (21). O PMI de serviços subiu a 70,1 pontos em maio, ante previsão de 64,5 e prévia de 64,7 em abril. O PMI industrial foi a 61,5 em maio, ante consenso de 60,5 (mesma leitura de abril). E o PMI composto, que une indústria e serviços, subiu 68,1. Em abril, era de 63,5.

Na Europa, o Índice dos Gerentes de Compras Industrial da zona do euro teve leve recuo na leitura prévia de maio, indo de 62,9 pontos de abril para 62,8, mas dentro da projeção do mercado. O PMI do setor de serviços subiu bem: de 50,5 de abril para 55,1 pontos. A projeção era por 52,3. E o PMI composto (que une indústria e serviços), foi de 53,8 para 56,9.

No Reino Unido, o resultado também foi positivo. O PMI industrial foi de 60,7 para 66,1. O de serviços, de 60,1 para 61,8. E o composto, de 60 para 62.

As melhoras observadas, especialmente no setor de serviços, se explicam pelo avanço na vacinação e as reaberturas das economias.

Veja as cotações às 15h15:

Mercados Nova York

  • S&P: +0,21%
  • Nasdaq: -0,10%
  • Dow Jones: +0,52%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: +0,44%
  • FTSE, Reino Unido: -0,02%
  • CAC, França: +0,68%
  • FTSE MIB, Itália: +1,10%
  • Stoxx 600: +0,57%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +0,78%
  • Xangai, China: -0,58%
  • HSI, Hong Kong: +0,03%
  • ASX 200, Australia: +0,15%
  • Kospi, Coreia: -0,19%

Petróleo

  • Brent (julho 2021): US$ 66,58 (+2,26%)
  • WTI (julho 2021): US$ 63,63 (+2,73%)

Ouro

  • Ouro futuro (junho 2021): US$ 1.878,10 (-0,10%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 170,54 (-3,39%)