Bolsa de valores opera em alta; na contramão do exterior, que teme quarta onda da Covid

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pexels

O Ibovespa abriu em queda, mas virou para o positivo e opera, às 12h45, em alta de 1,26%, aos 103.719 pontos.

A PEC dos Precatórios segue como tema central no país, agora com a proposta de fatiamento das emendas e Auxílio Brasil permanente. O mercado, aparentemente, reage bem à nova solução. Os investidores vêm acompanhando o tema, apreensivos pela indefinição, mas também atentos a como ficará a austeridade fiscal em ano eleitoral. 

Em evento ontem (18), o ministro da Economia, Paulo Guedes, reafirmou que o PIB crescerá 2,1% em 2022, o que contrasta com a projeção do mercado, de PIB abaixo de 1%. Hoje, o Monitor do PIB, da FGV, apontou que a  economia teve retração de 0,1% no terceiro trimestre de 2021, na comparação com os 3 meses anteriores. Já sobre o mês de setembro, houve crescimento de 0,3% em relação a agosto. Na comparação interanual a economia cresceu 4,1% no 3º trimestre e 2,4% em setembro.

Nesta sexta (19), o governo realiza leilão de terminais portuários em Santos. Segundo o Ministério da Infraestrutura, será o maior arrendamento portuário dos últimos 20 anos.

Mercados do exterior

Os mercados externos operam em queda, repercutindo os receios com novo lockdown decretado na Áustria. O país tornou a vacinação obrigatória. As bolsas europeias iniciaram o pregão em alta, mas inverteram o sinal, acompanhando se a medida será estendida a outros países. A Alemanha é outro país que liga o alerta sobre a quarta onda de Covid, que pode desacelerar a economia. 

Em indicadores, as vendas no varejo do Reino Unido subiram 0,8% em outubro, dentro das expectativas. Os preços ao produtor avançaram 18,4% na comparação com outubro de 2020, sendo o resultado mais alto em 70 anos. 

Ainda na Europa, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, afirmou que não pretende subir juros para responder à inflação, que em sua visão é passageira. 

O Japão aprovou hoje um pacote de estímulo fiscal de US$ 490 bilhões para apoiar a recuperação pós-pandemia. O pacote inclui pagamentos diretos para a maioria das famílias e empresas pequenas. O valor equivale a aproximadamente um décimo do PIB do país.

Ainda no país asiático, a inflação ao consumidor recuou para 0,1% em outubro, ante 0,2% em setembro. 

Nos EUA, a Câmara dos Representantes aprovou hoje um pacote de quase US$ 2 trilhões focado em educação, saúde e contra mudanças climáticas. O projeto segue agora para o Senado, onde os democratas têm maioria. Os republicanos, no entanto, se opõem, alegando que um novo pacote irá intensificar a inflação e prejudicar o ritmo de crescimento.

Mercados de Nova York

  • Dow Jones: -0,63%
  • S&P: -0,03%
  • Nasdaq: +0,50%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -0,52%
  • FTSE, Reino Unido: -0,48%
  • CAC, França: -0,54%
  • FTSE MIB, Itália: -1,46%
  • Stoxx 600: -0,39%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +0,50%
  • Xangai, China: +1,13%
  • HSI, Hong Kong: -1,07%
  • ASX 200, Austrália: +0,23%
  • Kospi, Coreia: +0,80%

Petróleo

  • Brent (dezembro 2021): US$ 78,70 (-3,31%)
  • WTI (novembro 2021): US$ 75,92 (-3,18%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2021): US$ 1.864,50 (+0,16%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 83,89 (+2,49%)