Ibovespa opera em queda, acompanhando mercados globais

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Divulgação/B3

A sexta-feira (18) é de agenda esvaziada tanto no exterior quanto no Brasil. O Ibovespa vira e opera em queda de 0,06%, aos 127.978 pontos.

Além da decisão do Copom de subir a Selic de 3,5% para 4,25%, já indicando novo ajuste para agosto, deve repercutir fortemente no mercado a aprovação, no Senado, da medida provisória que permite a desestatização da Eletrobras (ELET6).

Em votação polêmica, a MP foi aprovada por 42 senadores, apenas um a mais do que o mínimo necessário. Foram 37 votos contrários.

O texto foi modificado pelos senadores e, por isso, retornará às pressas para a Câmara dos Deputados, já que o texto caduca na terça-feira (22).

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.

Chegada de vacinas

O Brasil deve receber “nas próximas semanas” parte das 80 milhões de doses de vacinas que serão doadas pelos EUA. No entanto, não foi informada a quantidade, a data certa de chegada, nem de qual farmacêutica serão os imunizantes.

O Ministério da Saúde adiou “para a semana que vem”, sem dia definido, a entrega de 3 milhões de doses da Janssen que deveriam ter chegado ao país nesta semana. As vacinas são uma antecipação de parte do total de 38 milhões de doses compradas da farmacêutica pelo governo federal.

Destaques no Exterior

Ontem, Dow Jones e S&P reagiram com queda à decisão do Fed de manter a taxa de juros e a recompra de títulos ao menos por enquanto, mas já sinalizando mudanças antes do inicialmente previsto. Segundo o banco central americano, dois aumentos de juros estão previstos para acontecer em 2023. Também houve a confissão de que o “tapering” (redução da compra de títulos) já está, de fato, em discussão.

Na quinta (17), os novos pedidos de seguro-desemprego, que surpreenderam ao subir e vir acima da projeção (412 mil quando o mercado projetava 360 mil, com aumento de 37 mil reivindicações ante a semana anterior), reforçaram a tese do Fed de que a economia ainda demanda estímulos.

Os preços das principais commodities recuam com a decisão da China de liberar estoques para deter a alta das matérias-primas. O país também afirmou que emitirá novas regras para a gestão de índices de preços de commodities e serviços.

Da Europa vêm as notícias de que a as vendas no varejo do Reino Unido caíram 1,4% em maio, abaixo da projeção de 1,6% e de alta de 9,2% em abril; e de que o Índice de Preços do Produtor da Alemanha subiu 1,5% em maio, mais do que o dobro previsto de 0,7%.

Veja as cotações às 12h23:

Mercados de Nova York

  • S&P: -1,05%
  • Nasdaq: -0,85%
  • Dow Jones: -1,34%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -1,58%
  • FTSE, Reino Unido: -1,72%
  • CAC, França: -1,29%
  • FTSE MIB, Itália: -1,50%
  • Stoxx 600: -1,44%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: -0,19%
  • Xangai, China: -0,01%
  • HSI, Hong Kong: +0,61%
  • ASX 200, Austrália: +0,13%
  • Kospi, Coreia: +0,09%

Petróleo

  • Brent (agosto 2021): US$ 73,65 (+0,78%)
  • WTI (julho 2021): US$ 71,95 (+1,28%)

Ouro

  • Ouro futuro (agosto 2021): US$ 1.776,10 (+0,07%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 186,74 (-0,17%)