Bolsa brasileira segue exterior, que sobe com notícia sobre vacina

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Divulgação/B3

A bol50sa brasileira continua a operar em alta na tarde desta segunda-feira (16), em linha com os mercados externos, onde repercute o anúncio da Moderna de que dados preliminares apontam que sua vacina tem 94% de eficácia. Às 16h15, o Ibovespa subia 1,06%, aos 105.849,40 pontos.

Semana passada, a Pfizer já havia anunciado que a sua versão da vacina também é eficaz, em 90% dos casos.

No Brasil, terminado o primeiro turno das eleições, as atenções se voltam à Brasília, onde devem ser retomadas as discussões da pauta econômica no Congresso. O mercado financeiro aguarda com atenção sinalizações em torno da definição do Orçamento para 2021, a aprovação da PEC Emergencial e o Pacto Federativo.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Saiu pela manhã os resultados da Azul (AZUL4) do terceiro trimestre. E sairão ainda Qualicorp (QUAL3) e IMC (MEAL3).

O sistema de pagamento instantâneo PIX, criado pelo Banco Central, passa a funcionar integralmente nesta segunda-feira.

Mercados no exterior

Nos EUA, assessores de Joe Biden afirmaram que se opõem a um bloqueio nacional no país para conter o avanço dos casos de coronavírus.

Os mercados asiáticos fecharam em forte alta, depois que os países da região assinaram o maior acordo regional de livre comércio do mundo.

A Parceria Econômica Abrangente Regional (RCEP) formou aliança entre a China, Japão, Coreia do Sul, Austrália e mais 11 países da Ásia-Pacífico.

De lá também vem a notícia de que o Produto Interno Bruto (PIB) do Japão avançou 5% no trimestre, acima da projeção de 4,4%.

A China continua dando indícios de estar já em outro patamar de recuperação. A produção industrial avançou 6,9% em outubro. As vendas no varejo, 4,3%. A taxa de desemprego é de 5,3%.

Trump reconhece vitória de Biden, mas volta atrás

No domingo, o presidente Donald Trump reconheceu publicamente pela primeira vez que o presidente eleito Joe Biden venceu a eleição, mais de sete dias depois do resultado anunciado pelas estatísticas dos órgãos de imprensa. Mas disse que Biden ganhou porque houve fraude. Logo depois voltou atrás e disse que Biden venceu “só aos olhos da mídia”.

Trump também deve anunciar novos movimentos “linha dura” contra a China nas semanas restantes de seu mandato, de acordo com informações de funcionários da Casa Branca. Entre as medidas, a busca pela proteção da tecnologia americana, da exploração pelos militares da China, o combate à pesca ilegal e mais sanções contra funcionários do Partido Comunista ou instituições que causam danos em Hong Kong ou na região oeste de Xinjiang.

O grupo financeiro espanhol BBVA concordou em vender seu negócio nos EUA, o BBVA USA Bancshares, para o PNC Financial Services Group por US $ 11,6 bilhões. As ações do BBVA saltaram mais de 15% no pregão.

*Com Filipe Teixeira, da Wisir Research

Veja as cotações às 14h:

Mercados Nova York

  • S&P: +1,08%
  • Nasdaq: +0,74%
  • Dow Jones: +1,49%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: +0,47%
  • FTSE, Reino Unido: +1,66%
  • CAC, França: +1,70%
  • FTSE MIB, Itália: +1,98%
  • Stoxx 600: +1,32%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +2,05%
  • Xangai, China: +1,11%
  • HSI, Hong Kong: +0,86%
  • ASX 200, Austrália: +1,23%
  • Kospi, Coreia: +1,97%

Petróleo

  • WTI (dezembro 2020): US$ 41,51 (+3,44%)
  • Brent (janeiro 2021): US$ 44,12 (+3,13%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2020): US$ 1.893,60 a onça-troy (+0,42%)

Leia Mais

Mercado Livre (MELI34): vale a pena investir neste BDR?

Papel e celulose: o que você precisa saber antes de investir no setor

Disney (DISB34): empresa reconhece a força do seu serviço de streaming

FIIs de shoppings: é o momento de comprar esses fundos imobiliários?

Netflix (NFLX34): conheça a empresa e como investir neste BDR