Bolsas globais operam em baixa; Ibovespa futuro abre em alta

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

Os mercados futuros de Nova York e as bolsas europeias operam majoritariamente em baixa nesta terça-feira (13), repercutindo a interrupção da vacina contra Covid-19 da Johnson & Johnson. Um relatório apontou que um voluntário apresentou uma doença ainda não explicada. A exceção é a Nasdaq, que mantém o entusiasmo dos últimos dias.

No Brasil, o Ibovespa futuro abriu em alta de 0,60%, aos 98.195 pontos.

Na Europa, as ações de viagens e lazer caem com a notícia sobre a vacina.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

  • Congresso pode suspender recesso por reformas; veja mais destaques
  • Prévia do PIB, inflação, IPO e corrida eleitoral nos EUA agitam a semana; veja mais

Na Ásia os mercados fecharam próximos da estabilidade na Coreia do Sul e na China, onde os dados econômicos apontaram para uma maior recuperação do comércio global e uma recuperação doméstica robusta. As importações chinesas aumentaram 13,2% em setembro. Hong Kong encerrou seu pregão horas antes da aproximação de uma tempestade tropical.

O petróleo registra alta, com trabalhadores no Golfo dos EUA voltando após a chegada do furacão Delta e a Líbia dando um passo importante para reabrir seu maior campo de extração.

Os mercados globais parecem estar dando um tempo para respirar, após um dia de altas expressivas para o índice Nasdaq, que fechou em alta de 2,56% na abertura da semana, atingindo seu maior avanço desde abril, impulsionado por líderes em tecnologia, incluindo Amazon, Apple e Twitter.

A Amazon se prepara para colher os frutos de seu Prime Day que começa hoje, enquanto a Apple vive a expectativa do anúncio da tecnologia 5G como uma das adições mais significativas ao lançamento de seus próximos iPhones neste ano. A temporada de ganhos também destaca os relatórios do JPMorgan e do Citigroup, divulgados hoje.

Sem definição sobre pacote

Enquanto isso, a novela envolvendo o impasse de estímulo nos EUA pode estar entrando em seus capítulos finais, com membros da Câmara sendo informados para não esperar nenhuma ação nesta semana e muitos republicanos do Senado rejeitando a proposta de acordo da Casa Branca.

As audiências para a nomeação da juíza Amy Coney Barrett para a Suprema Corte continuam no Comitê Judiciário do Senado enquanto os republicanos tentam consolidar uma maioria conservadora na corte antes da eleição de 3 de novembro.

*Com Filipe Teixeira – Wisir Research

Destaques no Brasil

O mercado volta do feriado e acontece hoje o IPO do Grupo Mateus, que chegará à bolsa como o maior do ano até agora, com arrecadação de R$ 4,63 bilhões. Além disso, será a primeira companhia fora do eixo Rio-São Paulo a estrear na bolsa em 2020.

Ontem, no mercado norte-americano, as principais ADRs fecharam em alta:

  • Vale: +0,27%
  • Petrobras: +1,11%
  • Itaú Unibanco: +0,70%
  • Bradesco: +0,27%
  • Ambev: +2,02%
  • Azul: +2,32%
  • Gol: +1,71%

Veja as cotações às 9h10:

Mercados futuros de Nova York

  • S&P: -0,16%
  • Nasdaq: +0,81%
  • Dow Jones: -0,47%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -0,67%
  • FTSE, Reino Unido: -0,22%
  • CAC, França: -0,46%
  • FTSE MIB, Itália: -0,58%
  • Stoxx 600: -0,27%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +0,18%
  • Xangai, China: +0,04%
  • HSI, Hong Kong: fechado devido ao tufão Nangka.
  • ASX 200, Austrália: +1,04%
  • Kospi, Coreia: -0,02%

Petróleo

  • WTI (novembro 2020): US$ 40,33 (+2,28%)
  • Brent (dezembro 2020): US$ 42,47 (+2,04%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2020): US$ 1.924 a onça-troy (-0,21%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian, China: US$ 120,69 (-1,57%)