Mercados operam no positivo; Ibovespa futuro abre em alta

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Mercados globais operam em alta nesta sexta-feira (9), depois que a Casa Branca emitiu sinais de que está aberta novamente à discussão de um projeto de estímulo em grande escala.

No Brasil, Ibovespa futuro também abriu com valorização, de 0,23%, aos 97.890 pontos.

Segundo a imprensa americana, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, teria dito à presidente da Câmara, Nancy Pelosi, que o presidente Trump concordou em buscar um acordo sobre um pacote de ajuda mais abrangente. Há alguns dias, ele derrubou as bolsas mundiais twitando que as negociações ficariam só para depois das eleições de novembro.

EmpreendedorismoTécnicas para Renda Fixa. Estratégias para proteção de investimentos.

Tudo isso hoje na MoneyWeek

Trump se recupera da Covid-19 na reta final da campanha eleitoral e os investidores acreditam cada vez mais na vitória do democrata Joe Biden. As especulações agora vão na direção de saber se os democratas terão forças para dobrar o Congresso para promulgar estímulos massivos.

Europa e Ásia

As ações europeias operam mistas. As ações da British Land (uma das maiores empresas de investimento do mundo) se destacam, após a empresa restabelecer seu pagamento de dividendos. A Novo Nordisk também tem alta, depois que a farmacêutica dinamarquesa aumentou suas vendas e perspectivas de lucro para o restante do ano.

O rendimento dos títulos de 10 anos da Itália caíram para uma baixa recorde em meio ao enfraquecimento dos riscos políticos domésticos e do apoio do banco central.

As bolsas também fecharam mistas na Ásia, com alta de 1,68% da China na volta de um feriado prolongado.

O petróleo WTI em Nova York deve ter o maior ganho semanal desde junho, com o furacão Delta forçando as operadoras a fechar quase 92% da produção de petróleo bruto no Golfo do México.

Destaques no Brasil

Por aqui, o destaque fica por conta da divulgação do Índice de Preços para o Consumidor Amplo (IPCA) de setembro, que prevê um aumento, na mediana, de 0,54% (acima do 0,24% de agosto). O IPCA é o indicador oficial de inflação do país.

*Com Filipe Teixeira, da Wisir Research

Veja as cotações às 9h:

Mercados futuros de Nova York

  • S&P: +0,47%
  • Nasdaq: +0,42%
  • Dow Jones: +0,43%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: +0,08%
  • FTSE, Reino Unido: +0,68%
  • CAC, França: +0,46%
  • FTSE MIB, Itália: -0,26%
  • Stoxx 600: +0,34%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: -0,12%
  • Xangai, China: +1,68%
  • HSI, Hong Kong: -0,31%
  • ASX 200, Austrália: 0%
  • Kospi, Coreia: +0,21%

Petróleo

  • WTI (novembro 2020): US$ 40,81 (-0,92%)
  • Brent (dezembro 2020): US$ 43,01 (-0,76%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2020): US$ 1.918 a onça-troy (+1,25%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian, China: US$ 123,77 (+4,8%)