Ibovespa abre em queda, em linha com Nova York

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O Ibovespa abre em queda de 1,58%, aos 125.009 pontos.

No país, o pregão desta quinta-feira (8) será o último da semana, porque na sexta (9) a bolsa fecha para o Dia da Revolução Constitucionalista em São Paulo.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Pela manhã saíram os dados da inflação oficial. O IPCA desacelerou para 0,53% em junho, depois de ficar em 0,83% no mês anterior. A projeção do mercado era por alta de 0,59%. A energia elétrica foi o item que mais pressionou a inflação no mês. 

Mesmo assim, esse é o maior resultado para o mês desde junho de 2018 (1,26%). Com isso, o indicador acumula alta de 3,77% no ano e 8,35% nos últimos 12 meses. A variação acumulada em 12 meses é a maior desde setembro de 2016 (8,48%). Comparativamente, em junho de 2020, a taxa mensal foi de 0,26%. 

Ainda em indicadores, o IPC-S, da FGV, subiu 0,80% na primeira semana de julho e acumula alta de 8,63% nos últimos 12 meses.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

Muitos ruídos de Brasília

O investidor brasileiro segue cauteloso, ante a perspectiva de reabertura da atividade econômica, com o avanço da vacinação, mas dividido diante dos ruídos que vêm de Brasília.

Atenções voltadas para as negociações para mudar a proposta de Reforma Tributária, com taxação de dividendos e Fundos Imobiliários e mudanças nos impostos das empresas. Também para a crise hídrica e a CPI da Covid, que ameaça alterar o cenário eleitoral para 2022, com queda na popularidade de Jair Bolsonaro.

Ontem, as vendas no varejo e o IGP-DI vieram abaixo da expectativa. As vendas no varejo subiram 1,4% em maio, após crescimento de 4,9% em abril. O mercado projetava alta de 2,4%. Mesmo assim, o setor se encontra 3,9% acima do patamar pré-pandemia.

Já o IGP-DI recuou de 3,4% em maio para 0,11%, com o alívio no preço das commodities.

Em Brasília, o ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, foi preso por mentir à CPI da Pandemia. Seu depoimento foi confrontado com áudios. Mas foi liberado depois de pagar fiança. Ele é acusado de cobrar propina na compra de vacinas contra Covid-19.

Segundo o depoente, toda responsabilidade pela compra de vacinas era dos servidores de origem militar lotados no Ministério. A declaração gerou críticas à ala militar do governo por parte dos senadores e o dia terminou com uma nota oficial das Forças Armadas, repudiando as insinuações, o que pode abrir mais uma crise em Brasília.

Destaques no Exterior

O tema do dia segue sendo a ata do Federal Reserve, que não trouxe novidades.

O banco central americano continua vendo pressões inflacionárias temporárias e muitas incertezas para realizar a retirada dos estímulos. O único ponto a ressaltar é que o Fed sinaliza que muitos integrantes do comitê de política monetária já defendem o início da redução das recompras de títulos.

No mais, os juros perto de zero devem seguir ainda por muitos meses – o atrai capital estrangeiro para as economias emergentes e, portanto, é favorável ao Brasil.

Os pedidos de auxílio desemprego dos EUA vieram acima do esperado pelo mercado. Foram efetuados 373 mil pedidos. A projeção de mercado era de que os pedidos atingissem 350 mil esta semana. Na semana passada, as solicitações foram de 364 mil, mas foram revisados para cima. Com isto, o dado ficou em 371 mil pedidos. O dado reforça a tese do Fed de que a economia ainda demanda estímulos.

O petróleo cai em meio a sinais de uma nova guerra de preços entre os países produtores da Opep e seus aliados.

Veja as cotações às 10h20:

Mercados de Nova York

  • S&P: -1,40%
  • Nasdaq: -1,44%
  • Dow Jones: -1,45%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -2,20%
  • FTSE, Reino Unido: -1,99%
  • CAC, França: -2,35%
  • FTSE MIB, Itália: -2,76%
  • Stoxx 600: -2%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: -0,88%
  • Xangai, China: -0,79%
  • HSI, Hong Kong: -2,89%
  • ASX 200, Austrália: +0,20%
  • Kospi, Coreia: -0,99%

Petróleo

  • Brent (setembro 2021): US$ 73,33 (-0,14%)
  • WTI (agosto 2021): US$ 72,02 (-0,25%)

Ouro

  • Ouro futuro (agosto 2021): US$ 1.815,30 (+0,73%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 183,11 (-2,94%)