Bolsa de valores opera em alta; payroll decepciona nos EUA

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

O Ibovespa opera em alta de 0,74%, aos 102.308,87 pontos nesta sexta-feira (7), perto das 16h.

O dia tem agenda esvaziada, com destaque para as vendas de veículos da Anfavea, que apontou que a produção de veículos subiu 0,8% em dezembro, na base anual, mas as vendas caíram 15,1% na mesma base. 

O Refis para dívidas de MEIs e empresas do Simples Nacional foi vetado pelo presidente.

Na frente da pandemia, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que Brasil poderá adotar isolamento de cinco dias para infectados com a Covid, como já acontece em alguns países.

O país teve 128 mortes por covid-19 e 35.826 novos casos registrados na quinta (6), segundo dados do Ministério da Saúde. Foi o maior número de casos diários desde setembro. Goiás registrou a primeira morte por ômicron no país.

Mercados do exterior

Destaque nesta sexta-feira (7) para o payroll, folha de pagamentos oficial não-agrícola dos EUA.

O indicador frustrou as projeções e registrou 199 mil novos empregos criados no mês. A projeção era de 400 mil novos postos de trabalho. De acordo com o Departamento do Trabalho, no mês anterior, foram criadas 249 mil vagas. Os números de novembro foram revisados para cima. Inicialmente, o resultado era de criação de 210 mil novos empregos.

A taxa de desemprego, no entanto, caiu de 4,2% para 3,9%, quando a expectativa era 4,1%.

A pesquisa ADP, considerada uma prévia do payroll, trouxe na semana a criação de 807 mil vagas no setor privado, bem acima das expectativas de 400 mil. 

Apesar do payroll, está mantida a tese de que os juros nos EUA devem subir em março. Isto devido à taxa de desemprego positiva.

O BTG Pactual (BPAC11) aposta em quatro subidas de juros ao longo de 2022, começando com 0,25 ponto porcentual em março, logo após a reunião do Federal Reserve (Fed).

Ontem (6), os novos pedidos de seguro-desemprego mantiveram a tendência observada nas últimas semanas, no nível pré-pandemia e próximo ao patamar mais baixo da série histórica, apesar de terem vindo acima da projeção. 

Hoje pela manhã, a zona do euro divulgou as vendas no varejo, que cresceram 1% em novembro, ante projeção de queda de 0,5%. Leitura prévia anual dos preços ao consumidor atingiram 5% na região em dezembro. 

Mercados de Nova York

  • Dow Jones: -0,02%
  • S&P: +0,12%
  • Nasdaq: +0,40%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -0,56%
  • FTSE, Reino Unido: +0,10%
  • CAC, França: -0,16%
  • FTSE MIB, Itália: -0,16%
  • Stoxx 600: -0,39%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: -0,03%
  • Xangai, China: -0,18%
  • HSI, Hong Kong: +1,82%
  • ASX 200, Austrália: +1,29%
  • Kospi, Coreia: +1,18%

Petróleo

  • Brent (dezembro 2021): US$ 82,69 (+0,85%)
  • WTI (novembro 2021): US$ 80,03 (+0,72%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2021): US$ 1.790,50 (+0,07%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 112,78 (+1,41%)