Ibovespa opera na estabilidade; mercados de Nova York estão mistos

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Ibovespa opera na estabilidade, com leve queda de 0,05%, aos 119.506 pontos.

Repercute hoje no mercado a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de elevar a taxa básica de juros (Selic) a 3,5%, já prevendo nova alta de 0,75 ponto porcentual na próxima reunião. Assim, a Selic deve, em junho, atingir 4,25% ao ano.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

“O Comitê antevê a continuação do processo de normalização parcial do estímulo monetário com outro ajuste da mesma magnitude. O Copom ressalta que essa visão continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação”, disse no comunicado.

Veja como ficam os investimentos com Selic a 3,5%.

A CPI da Covid ouviu ontem (5) o ex-ministro da Saúde Nelson Teich, que afirmou que deixou a pasta por discordar da fabricação e da recomendação da cloroquina e por não ter autonomia no cargo.

O presidente Jair Bolsonaro reagiu aos trabalhos da CPI ameaçando divulgar decretos contra o isolamento social e intervenções em estados e municípios. O presidente também fez críticas à China, sugerindo que o país criou o vírus para se favorecer economicamente.

Destaques do Exterior

Os futuros de Nova York operam em leve alta na manhã desta quinta-feira (6), otimistas com a recuperação da economia americana e a reabertura das atividades a partir da campanha de vacinação.

Até mesmo o temor com a alta da inflação e uma possível subida de juros antes do previsto nos EUA foram amenizados ontem com o vice-presidente do Federal Reserve, Richard Clarida, afirmando em entrevista à CNBC que não é hora de pensar em reduzir as recompras de títulos, nem de aumentar os juros.

Aumentando as expectativas de retomada da normalidade em um futuro próximo, o governo americano anunciou ontem (5) que é favorável à renúncia temporária das patentes das vacinas contra a Covid-19.

“Esta é uma crise de saúde global e as circunstâncias extraordinárias da pandemia exigem medidas extraordinárias. O governo acredita fortemente nas proteções à propriedade intelectual, mas, a serviço do fim desta pandemia, apoia a renúncia dessas proteções”, escreveu em comunicado a representante de Comércio dos Estados Unidos Katherine Tai.

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego são o principal dado econômico do dia e serão divulgados um dia antes do payroll – folha de pagamentos oficial americana. A projeção é por 540 mil novas reivindicações, ante 553 mil da semana anterior.

O Banco da Inglaterra manteve a taxa básica de juros em 0,10% ao ano, como aguardado. Na Turquia, a taxa também foi mantida, em 19% ao ano. 

Na Europa, Inbev, Air France e Volkswagen estão entre os balanços do dia.

Veja as cotações às 15h15:

Mercados Nova York

  • S&P: +0,17%
  • Nasdaq: -0,38%
  • Dow Jones: +0,38%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -0,22%
  • FTSE, Reino Unido: +0,16%
  • CAC, França: -0,03%
  • FTSE MIB, Itália: -0,09%
  • Stoxx 600: -0,44%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +1,80%
  • Xangai, China: -0,16%
  • HSI, Hong Kong: +0,77%
  • ASX 200, Australia: -0,48%
  • Kospi, Coreia: +1%

Petróleo

  • Brent (junho 2021): US$ 68,35 (-0,88%)
  • WTI (maio 2021): US$ 64,98 (-0,99%)

Ouro

  • Ouro futuro (junho 2021): US$ 1.7815,10 (+1,73%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 182,89 (+6,81%)

 

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3