Mercados operam em alta; Ibovespa futuro abre com ganhos

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Os mercados futuros de Nova York e as bolsas europeias operam em alta na manhã desta terça-feira (6), depois dos ganhos de ontem, motivados pela saída do presidente norte-americano do hospital. Apenas Nasdaq tinha queda perto das 9h.

No Brasil, o Ibovespa futuro abriu em alta de 1,06%, aos 96.965 pontos.

Japão, Hong Kong e Coreia do Sul fecharam os pregões com ganhos, ainda repercutindo as altas de ontem. A China segue com mercados fechados, por conta de uma feriado.

Os médicos de Donald Trump disseram que a condição do presidente “continuou a melhorar”, embora ele não esteja “totalmente fora de perigo ainda”. Trump ficou três dias internado para combater sintomas do coronavírus.

O retorno de Trump deixou perguntas sem resposta sobre sua real condição e principalmente, dúvidas sobre sua disposição de obedecer às restrições necessárias para evitar que um surto de vírus na Casa Branca ou mesmo sua própria condição de saúde se agrave. Os investidores também seguem aguardando por quaisquer sinais de progresso no que tange um novo pacote de estímulo econômico nos EUA.

Os mercados aumentaram suas apostas em um novo S.O.S por parte dos legisladores americanos, após a recente divulgação de indicadores econômicos que expuseram a fraqueza do mercado de trabalho no país, além da própria experiência pessoal do presidente Trump em lidar com os efeitos da Covid. Está cada vez mais difícil negar a necessidade de um apoio fiscal adicional.

Hoje tem discurso de Jerome Powell, presidente do banco central americano (Fed), mas sempre grandes expectativas por novidades.

Destaques do Brasil

Por aqui, o otimismo deve estar de volta já na abertura das negociações, após o bem sucedido “date” entre o ministro Paulo Guedes e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que selaram a paz no jantar promovido por parlamentares na noite de ontem, na residência do ministro do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas.

“Nos dias seguintes à presidência, por divergências, por erros, e assumo os meus, nós fomos nos afastando e, agora, na pandemia, mais ainda, e, até, na semana passada, deixo o meu pedido de desculpas, fui indelicado e grosseiro. Não é do meu feitio, ao contrário”, declarou Maia.

“Eu nunca ofendi o presidente Rodrigo Maia. Isso não tem problema, foi uma troca. Isso não é ofensa pessoal, foi troca de opiniões, não tem ofensa. Eu, caso tenha ofendido o presidente Maia ou qualquer político, eu peço desculpas também. Eu às vezes dou exemplos genéricos”, disse Guedes em seguida.

O jantar, servido com guizado de bode, durou aproximadamente três horas e contou com a participação de os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Fábio Faria (Comunicações); os senadores Eduardo Braga (MDB-AM), Kátia Abreu (PP-TO) e Renan Calheiros (MDB-AL) e os ministros do TCU Vital do Rêgo e José Múcio, presidente da corte de contas.

No Twitter, Maia afirmou que “A situação fiscal do Brasil hoje requer união, diálogo e equilíbrio. Sem as reformas, o país entrará numa crise econômica muito grave. A partir de amanhã (hoje), precisamos retomar os trabalhos em torno da agenda de reformas, que não vai parar independentemente das eleições municipais. A regulamentação do teto de gastos é a nossa principal urgência, além da reforma tributária e da reforma administrativa encaminhada pelo governo”, disse, falando ainda em um “programa social dentro do teto de gastos” para auxiliar as famílias em 2021.

Veja as cotações às 9h05:

Mercados futuros de Nova York

  • S&P: +0,06%
  • Nasdaq: -0,20%
  • Dow Jones: +0,33%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: +0,56%
  • FTSE, Reino Unido: +0,22%
  • CAC, França: +0,67%
  • FTSE MIB, Itália: +0,88%
  • Stoxx 600: +0,24%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +0,52%
  • Xangai, China: -0,20%
  • HSI, Hong Kong: +0,90%
  • ASX 200, Austrália: +0,35%
  • Kospi, Coreia: +0,34%

Petróleo

  • WTI (novembro 2020): US$ 39,94 (+1,84%)
  • Brent (dezembro 2020): US$ 42,02 (+1,77%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2020): US$ 1.922 a onça-troy (+0,10%)

Com Filipe Teixeira, da Wisir