Bolsa de valores intensifica alta, por otimismo com vacinas; dólar despenca

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: B3/Divulgação

A bolsa de valores ampliou a valorização do começo do pregão, refletindo o entusiasmo com as notícias sobre vacinas e acompanhando bolsas de Nova York. O Ibovespa rompeu os 113 mil pontos e registrava valorização de 1,29%, às 14h.

O dólar despenca, e registra perda de 1,52%, cotado a R$ 5,13.

O Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre registrou alta recorde de 7,7%, na série com ajuste sazonal, na comparação com o segundo trimestre – quando o indicador havia recuado 9,7%, na maior retração da série histórica.

Entenda o LPA? Um dos indicadores mais representativos em análises fundamentalistas

O desempenho, porém, ficou abaixo do aguardado pelo mercado, que era de um avanço de 8,8%.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o PIB caiu 3,9%, enquanto no acumulado de 12 meses encerrados em setembro a queda soma 3,4%.

Em valores correntes, o PIB do terceiro trimestre de 2020 totalizou R$ 1,891 trilhão.

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

O destaque no resultado, na comparação com o segundo trimestre, ficou com a indústria, com alta de 14,8%, seguido por serviços (+6,3%). Já o PIB agrícola recuou 0,5%.

A taxa de investimento no terceiro trimestre de 2020 foi de 16,2% do PIB, estável na comparação anual.

O Índice dos Gerentes de Compras (PMI na sigla em inglês) de serviços recuou em novembro, de 52,3 para 50,9 pontos. O composto, que inclui serviços e indústria, recuou de 55,9 para 53,8.

Ontem, o Tesouro Nacional captou US$ 2,5 bilhões com emissão de títulos no exterior. Segundo o Tesouro, houve uma forte demanda pelos papéis, superando a oferta em mais de três vezes.

Exterior

Ontem (2), o Reino Unido se tornou o primeiro país a conceder aprovação de emergência para a vacina Covid-19 da Pfizer e BioNTech. Os reguladores nos EUA e na Europa devem fazer determinações sobre essa vacina e a da Moderna em breve.

Nos EUA, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, divulgaram uma declaração conjunta, pedindo aos republicanos apoio para a aprovação de uma proposta bipartidária de auxílio.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, rejeitou a proposta de US$ 908 bilhões divulgada na terça (1). Para ele, o pacote de estímulo deve ser algo em torno e US$ 500 bilhões.

“Ninguém deveria contar com esse estímulo, e acho que o investidor sábio está dizendo, ‘bem, seria bom se viesse, mas não vamos contar com isso’”, afirmou a gerente de portfólio Joanne Feeney da Advisors Capital Management à CNBC.

Os novos pedidos de seguro-desemprego dos EUA ficaram em 712 mil, abaixo da projeção de 780 mil.

Empresas chinesas banidas de Wall Street

A Câmara dos Deputados dos EUA aprovou na noite de ontem (2) uma lei que pode impedir algumas empresas chinesas de ter ações nas bolsas de Nova York.

A lei impede que títulos de empresas estrangeiras sejam listados em qualquer bolsa dos EUA se não cumprirem auditorias do Conselho de Supervisão de Contabilidade Pública dos EUA por três anos seguidos.

A medida foi aprovada por unanimidade, após ser aprovada no Senado no início deste ano, e vai agora para sanção de Donald Trump.

PMI composto

O Índice dos Gerentes de Compras (PMI na sigla em inglês) de serviços da China, calculado por Caixin e IHS Markit, ficou em 57,8 em novembro, com alta em relação a outubro (56,8). As leituras do PMI acima da marca 50 significam expansão.

Na Europa houve desaceleração do crescimento. Na zona do euro, o PMI de serviços teve queda de 46,9 para 41,7. O PMI composto foi de 50 para 45,3 pontos. No Reino Unido, o PMI de serviços foi de 51,4 para 47,6. O composto, de 52,1 para 49 pontos.

Veja as cotações às 14h:

Mercados de Nova York

  • S&P: +0,20%
  • Nasdaq: +0,58%
  • Dow Jones: +0,50%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -0,45%
  • FTSE, Reino Unido: +0,42%
  • CAC, França: -0,16%
  • FTSE MIB, Itália: +0,16%
  • Stoxx 600: +0,04%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +0,03%
  • Xangai, China: -0,21%
  • HSI, Hong Kong: +0,74%
  • ASX 200, Austrália: +0,38%
  • Kospi, Coreia: +0,76%

Petróleo

  • Brent (fevereiro 2021): US$ 48,33 (+0,17%)
  • WTI (janeiro 2021): US$ 45,30 (+0,04%)

Ouro

  • Ouro futuro (fevereiro 2021): US$ 1.834,60 a onça-troy (+0,24%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian, China: US$ 142,88 (+1,68%)