Ibovespa abre em queda, na contramão de NY

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Foto: Reprodução/Pixabay

O Ibovespa abre em queda e vai em sentido oposto a Nova York, com recuo de 0,23%, aos 122.235 pontos.

A produção industrial teve variação nula (0%) em junho, ante alta de 1,4% em maio, informou o IBGE na manhã desta terça-feira (3). O resultado veio bem pior do que a projeção do mercado de aceleração de 1,7%.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Ainda em indicadores, o IPC-Fipe, que mede a inflação na cidade de São Paulo, variou 1,02% em julho, ante 0,81% de junho.

Mas o destaque do dia fica por conta do início da reunião de dois dias do Copom para definir a Selic.

Ontem, o boletim Focus do Banco Central trouxe alta da inflação, com a projeção subindo a 6,79% para o IPCA, ao final deste ano. Semana passada, o levantamento elevou a previsão para a taxa Selic a 7%, com o mercado precificando mais juros em meio ao cenário de alta dos preços.

Dessa forma, é unânime a projeção de nova alta da Selic, com o resultado sendo divulgado na quarta (4), após o fechamento dos mercados. A aposta predominante é a de que o Copom suba os juros a 5,25% ao ano, equivalente a 1 ponto porcentual.

Mais do que a alta de 1 ponto, o mercado aposta em sinalização de maior firmeza do Copom nas reuniões seguintes. É esperada nova alta de 1% em setembro, o que acalmaria as expectativas de inflação em 2022.

O investidor acompanha ainda:

  • Os riscos fiscais com a proposta do novo Bolsa Família, que deve ficar entre R$ 300 e R$ 400 e deve ser levado ao Congresso esta semana. Uma possibilidade aventada em Brasília é que os recursos venham do parcelamento de dívidas de precatórios (dívidas da União decorrentes de decisões judiciais definitivas).
  • Na noite de ontem (2), o Tribunal Superior Eleitoral pediu ao Supremo Tribunal Federal que o presidente Bolsonaro seja investigado no inquérito que apura a disseminação de fake news, devido aos ataques, sem provas, ao sistema eleitoral. Foram abertos inquérito administrativo e notícia-crime contra o presidente.

Destaques no Exterior

Os mercados futuros de Nova York buscam reação nesta terça-feira (3), após as quedas das bolsas ontem, decorrentes da ameaça da variante delta do coronavírus à economia e de uma possível redução de estímulos em breve.

O diretor do Federal Reserve (Fed) de Saint Louis, Christopher Waller, pegou o  investidor desprevenido ao falar em retirada de estímulos já em outubro, com anúncio do tapering no mês que vem. Até aqui, o presidente do Fed, Jerome Powell, vinha falando em manter a política monetária ainda por um bom tempo, com avisos antecipados ao mercado.

Já a delta avança forte pelos EUA. A média de sete dias de casos diários chegou a 72,9 mil na última sexta-feira (30), ultrapassando marcas de antes da vacinação. No entanto, a aposta predominante é que variante cause uma modesta retração na atividade.

Ainda no radar, segue em discussão uma proposta bipartidária do plano de infraestrutura de Joe Biden, que pode ser votado ainda esta semana.

Em indicadores, o maior destaque da semana vem na sexta, com o payroll, folha de pagamentos oficial dos EUA. O mercado projeta a criação de 926 mil vagas, acima das 850 mil de junho, e queda na taxa de desemprego, de 5,9% para 5,7%.

Na temporada de balanços, hoje tem divulgação de Alibaba, Eli Lily, Amgen, BP e ConocoPhillips.

Veja as cotações às 10h20:

Mercados de Nova York

  • Dow Jones: +0,20%
  • S&P: +0,19%
  • Nasdaq: +0,22%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -0,11%
  • FTSE, Reino Unido: +0,21%
  • CAC, França: +0,88%
  • FTSE MIB, Itália: +0,05%
  • Stoxx 600: +0,16%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: -0,50%
  • Xangai, China: -0,47%
  • HSI, Hong Kong: -0,16%
  • ASX 200, Austrália: -0,23%
  • Kospi, Coreia: +0,44%

Petróleo

  • Brent (outubro 2021): US$ 71,35 (-2,14%)
  • WTI (setembro 2021): US$ 69,45 (-2,54%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2021): US$ 1.814,80 (-0,41%)

Minério de ferro

  • Bolsa de Dalian: US$ 164,40 (+1,97%)

 

 

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3