Mercados globais caem; Ibovespa futuro abre em queda

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Wikimedia

Os mercados globais iniciam a sexta-feira (2) em queda, com a notícia de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de 74 anos, testou positivo para Covid-19, a um mês das eleições presidenciais.

No Brasil, o Ibovespa futuro abriu em queda de 0,16%, aos 95.105 pontos.

Além dele, foram infectadas a primeira-dama, Melania Trump, de 50 anos, e uma assessora do presidente que viajou com ele no mesmo avião para o debate realizado na última terça-feira (29).

Confira principais Ações para investir em Outubro

“Começaremos nosso processo de quarentena e recuperação imediatamente. Vamos superar isso juntos!”, disse Trump no Twitter.

Também dos EUA vem a notícia de que, mesmo sem acordo com os republicanos ou com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, a Câmara aprovou um novo pacote de auxílio de estímulos para o país enfrentar a pandemia. O valor é de US$ 2,2 trilhões. No entanto, ele não deve passar no Senado, de maior republicana. A votação ficou em 214 a 207, sendo que 18 democratas votaram com os republicanos.

Em indicadores, o destaque do dia é para o payroll, relatório oficial de emprego dos EUA, que deve apontar a criação de 850 mil vagas não-agrícolas em setembro. Em agosto, foram 1,371 milhão.

Destaques no Brasil

Sem definição sobre de onde virá o dinheiro, as discussões sobre o Renda Cidadã (que pode voltar a chamar Renda Brasil) devem ficar para a semana que vem. Assim como a Reforma Tributária, que teve sua discussão pública adiada para a segunda-feira (5).

Hoje deve repercutir a declaração do presidente Jair Bolsonaro, que afirmou em sua live semanal confiar “99,9%” no ministro da Economia, Paulo Guedes. “Ele é o cara da política econômica e dá a palavra final”, disse, depois da polêmica causada pela proposta de utilizar recursos dos precatórios para financiar o programa social que deve substituir Bolsa Família e auxílio emergencial em janeiro.

Ontem, a bolsa teve alta de 0,93%, indo a 95.478,52 pontos, depois de se manter por um tempo abaixo dos 94 mil. Destaque para a Petrobras, cujas ações ordinárias (PETR3) subiram 0,91%, e as preferenciais (PETR4), 1,22%. Isto após o Supremo Tribunal Federal (STF) definir que a petroleira pode vender seus ativos por meio de subsidiárias sem aval do Congresso. Foram 6 votos a favor contra 4 contrários.

O destaque em indicadores hoje é para a produção industrial de agosto, do IBGE.

Veja as cotações às 9h05:

Mercados futuros de Nova York

  • S&P: -1,59%
  • Nasdaq: -2,25%
  • Dow Jones: -1,48%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: -1,27%
  • FTSE, Reino Unido: -0,85%
  • CAC, França: -1,01%
  • FTSE MIB, Itália: -0,86%
  • Stoxx 600: -0,65%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: -0,67%
  • Xangai, China: fechado por feriado
  • HSI, Hong Kong: fechado por feriado
  • ASX 200, Australia: -1,39%
  • Kospi, Coreia: fechado por feriado

Petróleo

  • WTI (novembro 2020): US$ 37,31 (-3,64%)
  • Brent (dezembro 2020): US$ 39,43 (-3,66%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2020): US$ 1.912 (-0,21%)