Bolsas têm dia de ganhos na véspera de eleição nos EUA

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

Os mercados globais fecharam em alta nesta segunda-feira (2), tentando recuperar perdas da semana passada e na expectativa do resultado das eleições presidenciais norte-americanas, que começará a ser conhecido amanhã (3). No Brasil, os mercados não funcionaram em razão do feriado de Finados.

Uma pesquisa da NBC apontou que o ex-vice-presidente e candidato democrata Joe Biden tinha 52% das intenções de voto, enquanto o atual presidente, Donald Trump, tinha 42% das intenções.

Os investidores acompanham com atenção a decisão, porque é grande o receio de uma judicialização do resultado. Além disso, depende da definição das eleições o avanço do aguardado pacote de ajuda fiscal.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Os dois candidatos fizeram intensa campanha em estados estratégicos no dia de hoje, e trocaram acusações.

De acordo com a CNBC, mais de 94 milhoes de votos já foram feitos antes do dia da eleição. O número representa 68% do total de votos contados em 2016.

O novo avanço do coronavírus também segue no radar. O governo britânico foi mais um dos europeus a anunciar bloqueios parciais, a partir da próxima quinta-feira, para tentar conter o aumento de casos e as hospitalizações devido ao vírus.

O Índice dos Gerentes de Compra (PMI na sigla em inglês) da Europa, medido pela IHS Markit, veio acima da projeção. Ficou em 54,8, ante 54,4 pontos de setembro. O mercado aguardava 54,4 novamente. Isso ajudou a impulsionar as bolsas europeias, que fecharam em alta.

O PMI Industrial da China também superou as expectativas: 53,6, ante 53 de setembro e das projeções. Números de PMI acima de 50 pontos indicam crescimento econômico.

Brasil

O ETF EWZ iShares MSCI Brazil Capped, que replica o comportamento do Ibovespa na bolsa de NY, fechou em alta de 0,26%, depois de ter subido além de 1% ao longo do dia.

As ADRs das principais companhias brasileiras ficaram, na maioria, em terreno positivo.

  • Petrobras: +1,21%
  • Vale: +1,28%
  • Ambev: +1,87%
  • Bradesco: +0,86%
  • Itaú Unibanco: +0,31%
  • Azul: +0,34%
  • Gol: -0,55%

Veja os demais fechamentos:

Mercados de Nova York

  • S&P: +1,23%
  • Nasdaq: +0,42%
  • Dow Jones: +1,60%

Mercados Europa

  • DAX, Alemanha: +2,01%
  • FTSE, Reino Unido: +1,39%
  • CAC, França: +2,11%
  • FTSE MIB, Itália: +2,55%
  • Stoxx 600: +1,61%

Mercados Ásia

  • Nikkei, Japão: +1,39%
  • Xangai, China: +0,02%
  • HSI, Hong Kong: +1,46%
  • ASX 200, Austrália: +0,40%
  • Kospi, Coreia: +1,46%

Petróleo

  • WTI (dezembro 2020): US$ 37,04 (+3,49%)
  • Brent (janeiro 2021): US$ 39,25 (+3,45%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2020): US$ 1.895,80 a onça-troy (+0,84%)