A tríade dos investimentos: risco, liquidez e rentabilidade

Késia Rodrigues
Colaboradora Independente do Portal EuQueroInvestir e leitora assídua de conteúdos sobre economia e política. Apaixonada por tecnologia, investimentos e viagens.
1

Crédito: Banco de Imagens EnvatoElements/By markusgann.

Muita gente não sabe, mas o mercado é regido por uma tríade dos investimentos que pode interferir bastante em seus planos.

Estamos falando da relação entre risco, liquidez e rentabilidade, que afeta todo e qualquer tipo de investimento que uma pessoa pode fazer.

O objetivo de todo investidor é obter ótimos ganhos com os seus investimentos, certo? Além disso, a maioria deles deseja fazer isso sem correr riscos e com a possibilidade de sacar o dinheiro a qualquer momento (liquidez).

Acontece que juntar esses três elementos em uma única aplicação é uma tarefa para o nosso amigo Tom Cruise, pois podemos dizer que é uma verdadeira “Missão Impossível”.

Na maioria das vezes será necessário abrir mão de um desses elementos para garantir outro. Cabe a você decidir o que é mais importante.

Mas essa decisão nem sempre é fácil, pois é preciso conhecer o mercado e ter definido muito bem o que se quer ao realizar um investimento.

Ao longo deste artigo falaremos mais sobre risco, liquidez e rentabilidade, os três elementos da tríade dos investimentos que devem sempre ser levados em consideração antes de tudo.

Continue a leitura para saber mais e entender, de uma vez por todas, como eles afetam os seus investimentos.

Relação entre risco, liquidez e rentabilidade

Quando uma pessoa investe o seu dinheiro em qualquer coisa, seja uma aplicação financeira ou um bem, precisa levar em consideração o que o mercado chama de tríade dos investimentos.

Trata-se de uma relação entre risco, liquidez e rentabilidade, que afeta os investimentos de uma forma bastante profunda.

Cada investidor possui um perfil, que está intimamente ligado ao seu grau de tolerância ao risco.

Os investidores que não gostam de correr nenhum tipo de risco são chamados de conservadores, pois prezam por investir o seu dinheiro em aplicações que sejam seguras.

Já os investidores que aceitam correr maiores riscos são chamados arrojados. Para eles, o risco não é um problema, desde que possam ganhar proporcionalmente ao perigo que correram.

No meio termo estão os investidores moderados, que aceitam correr algum risco, mas ainda prezam por manter a maior parte do seu dinheiro em aplicações seguras.

Há uma regra no mercado de investimentos de que quanto menor o risco, menor a rentabilidade. Ao mesmo passo, aplicações consideradas de maior risco também são mais rentáveis.

Assim, começamos a perceber que risco e rentabilidade são grandezas inversamente proporcionais.

No entanto, os investimentos também são afetados por um terceiro elemento denominado liquidez.

A liquidez nada mais é do que a facilidade que se tem em transformar um ativo em dinheiro.

Da mesma forma que o risco, a liquidez também é inversamente proporcional à rentabilidade. Ou seja, se um ativo tem alta liquidez, menor será a sua rentabilidade. Já se a liquidez é baixa, a rentabilidade será maior.

Nessa tríade dos investimentos, cada pessoa precisa fazer uma escolha na hora de definir onde aplicar o seu dinheiro.

Se optar por aplicações seguras, precisará entender que a sua rentabilidade será menor do que se escolhesse correr um risco maior.

Do mesmo modo, se escolher por um ativo cujo dinheiro possa ser facilmente sacado, o rendimento também será afetado.

Relação entre risco, liquidez e rentabilidade

É possível combinar a tríade dos investimentos em uma única aplicação?

Talvez essa seja a principal pergunta feita pelos investidores quando se deparam com a tríade dos investimentos.

É possível encontrar uma aplicação que reúna baixo risco, alta liquidez e alto rendimento?

A resposta, caro leitor, não é das mais animadoras.

Assim como quase tudo em nossas vidas, na hora de investir é necessário fazer algumas escolhas.

Cada tipo de aplicação envolve um grau de risco, uma certa liquidez e uma possibilidade de rendimentos.

Para que você possa compreender melhor, confira os exemplos a seguir:

1 – Imagine que você tem R$ 400 mil em mãos e deseja investir em um imóvel. Após pesquisar bastante, encontrou um apartamento em um bairro excelente, em franca valorização, e com grande demanda por aluguel.

Parece um investimento com baixo risco e uma boa rentabilidade, não é mesmo? Contudo, quem investe em imóveis renuncia à liquidez, pois, mesmo que esse apartamento seja perfeito, será difícil encontrar alguém disposto a pagar o seu valor de mercado rapidamente.

2 – Você acabou de descobrir uma empresa que tem se valorizado bastante na Bolsa de Valores e, portanto, decidiu comprar um lote de ações.

Esse tipo de investimento em ações possui alta liquidez, pois você pode vendê-las a qualquer momento. Além disso, a perspectiva de lucro parece boa no longo prazo. Entretanto, o risco de perder dinheiro também é grande nesse caso.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

3 – Um determinado investidor de perfil conservador resolve aplicar R$ 100 mil em títulos de renda fixam, como um CDB de liquidez diária. Esse tipo de aplicação é bastante segura e tem alta liquidez.

No entanto, a rentabilidade dos títulos de renda fixa é afetada por toda essa segurança, sendo bem menor do que a de outras aplicações pouco mais arriscadas que existem no mercado.

Percebe que não é possível ter tudo em um investimento apenas e que tudo está intimamente ligado ao risco que se deseja correr?

Para que você entenda melhor o que o risco representa nos investimentos, recomendamos que você assista ao vídeo abaixo, que faz parte do curso “Jornada do Investidor”:

Riscos e retornos

O principal objetivo de quem investe é ter uma boa rentabilidade a partir de suas aplicações financeiras.

No entanto, atingir esse resultado pode demandar uma boa gestão do risco, principalmente para os investidores com perfil conservador ou moderado.

Caso você ainda não saiba qual é o seu perfil de investidor, aproveite para fazer um teste conosco.

A depender do seu grau de tolerância ao risco, será mais fácil encontrar aplicações que gerem maiores retornos no mercado.

Por exemplo: os investidores com perfil arrojado possuem uma maior tolerância ao risco.

Para eles é simples encontrar aplicações que combinem liquidez e maior rentabilidade na Bolsa de Valores.

Mas e quem possui um perfil mais conservador, precisará realmente abrir mão da rentabilidade?

Não necessariamente.

Investidores com perfil conservador podem encontrar uma série de bons investimentos no mercado de renda fixa, contudo, é preciso saber escolher as melhores aplicações.

Uma boa oportunidade está nos produtos que possuem a sua rentabilidade atrelada ao CDI, contudo, para que possam valer a pena, é necessário que essa rentabilidade seja superior a 100% do CDI.

Os fundos de investimentos também são uma excelente maneira de fazer o seu dinheiro render mais, principalmente no longo prazo.

Recentemente, os Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs) estão ganhando muita atenção no mercado, pois, com eles é possível que você receba aluguéis sem possuir nenhum imóvel.

No final das contas, o risco de uma aplicação sempre acabará definindo a sua rentabilidade, juntamente com a liquidez.

Gestão do risco nos investimentos

Assim, quem deseja ter retornos maiores, deve encarar de frente o risco e, em alguns casos, abrir mão da liquidez.

Já quem não quer correr riscos deve ter em mente que suas aplicações poderão render menos.

Confira, no vídeo a seguir, uma explicação mais detalhada sobre essa relação de risco e retorno:

Talvez você tenha se perguntado: “existe uma saída para escapar dessa tríade dos investimentos?”

Pois saiba que existe uma maneira simples de diminuir os riscos e aumentar a rentabilidade dos seus investimentos. Ela se chama diversificação.

Diversifique os seus investimentos!

Talvez você já tenha escutado esse conselho em algum momento de sua jornada como investidor.

Se você o seguiu, certamente percebeu que a diversificação de investimentos é uma das principais estratégias para quem deseja mitigar os efeitos do risco sobre os seus ativos e, também, ter uma maior rentabilidade.

A diversificação pode ser compreendida como a essência do mercado de investimentos.

Lembra daquele velho ditado: “não coloque todos os ovos na mesma cesta”? A lógica é a mesma.

Quando você coloca todo o seu dinheiro em uma única aplicação, por mais segura que ela seja, estará correndo o risco de ter uma menor rentabilidade em seus investimentos.

Isso envolve, dentre outras coisas, o chamado “custo de oportunidade”, que diz respeito ao que você deixa de ganhar por ter tomado uma certa decisão.

Entenda melhor o que é o custo de oportunidade em mais um vídeo da Jornada do Investidor:

Na hora de investir, opte por alocar os seus recursos em aplicações de diferentes tipos.

Você pode, por exemplo, alocar parte em renda fixa e parte em renda variável. Ou alocar tudo em renda fixa, mas em diversos títulos e não em apenas um.

Quanto mais você diversifica, maiores são as suas chances de aumentar a rentabilidade dos seus investimentos e menor é o risco que se corre.

Isso acontece, pois, caso você tenha perda em alguma de suas aplicações, a rentabilidade das demais poderá compensá-la.

Por fim, recomendamos a leitura do nosso artigo sobre como montar uma carteira de investimentos diversificada.

Considerações finais

Risco, liquidez e rentabilidade são fatores que estão presentes em todos os tipos de investimentos oferecidos no mercado.

Como você percebeu ao longo deste artigo, não há como reunir em uma única aplicação a melhor parte de cada um deles.

No entanto, compreender a tríade dos investimentos nos permite fazer escolhas melhores na hora de investir.

Quando, onde e quanto investir

O teste de perfil de investidor criado pela equipe da Euqueroinvestir.com pode ser usado como base para você identificar seu perfil como investidor: conservador, moderado ou agressivo.

Conhecer o próprio perfil como investidor e ter claro o objetivo com os investimentos, é a base para identificar os melhores investimentos, afinal, não existe o melhor investimento, o que existe é o melhor investimento para o perfil e objetivo do investidor.

No entanto, o teste de perfil é só o começo, o primeiro passo em sua caminhada enquanto investidor. Entender mais profundamente seu perfil e ter claro os objetivos quanto a prazos de investimentos, é uma tarefa um pouco mais sofisticada e exige uma análise mais criteriosa.

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.