A importância de diversificar as fontes de renda

Em um cenário de demissões e redução salarial, muitos brasileiros têm passado por momentos de pânico ao pensar como pagarão o aluguel do mês que vem ou mesmo contas mais simples como a fatura de um cartão de crédito. Essa foi exatamente a situação pela qual passou a escritora e empreendedora norte-americana Dorie Clarck, atualmente com 39 anos. Após uma demissão de seu emprego, Clarck ficou sem rumo, uma vez que o seu trabalho era a única fonte de renda que possuía. Apesar dos tempos difíceis, ela aprendeu uma valiosa lição, que mudou completamente o rumo de sua vida.

Késia Rodrigues
Colaboradora Independente do Portal EuQueroInvestir e leitora assídua de conteúdos sobre economia e política. Apaixonada por tecnologia, investimentos e viagens.

Crédito: businessman getting ready for race on the track

Jornalista e com formação em filosofia, atualmente Clarck atua como consultora de marketing com foco em empresas. A demissão que mudou a sua vida ocorreu ainda no ano 2000, quando ela trabalhava como repórter política, profissão que tinha como certa. Ao ser questionada sobre esse momento, Clarck diz ter recebido da empresa o equivalente a quatro dias de trabalho como indenização e que teria sido de grande valia ter uma outra fonte de renda ao qual pudesse recorrer.

Ao longo dos próximos anos, Clarck seguiu realizando alguns “bicos” e também passou a empreender. Fez alguns cursos na área da administração, mas em 2013 começou a desenvolver a ideia de que deveria criar fluxos de receita diversificados. Nessa época, enquanto trabalhava no projeto de marketing para empresas, percebeu que poderia aumentar ainda mais o seu negócio se conseguisse obter diferentes fluxos de receitas e fizesse trabalhos diferentes para ganhar mais dinheiro.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Essa ideia de diversificação partiu do fato de se trabalhar com múltiplos clientes no negócio de consultoria. Assim, Clarck passou a estudar e consolidar a ideia de trazer recursos financeiros de lugares diferentes.

Antes de seguir com a leitura…

Vamos descobrir qual é o seu tipo de investidor num teste rápido e fácil?

[banner id=”teste-perfil”]

Devo diversificar a minha renda? Sim ou claro?

As pessoas que investem a algum tempo em ações já estão acostumadas com a ideia de diversificação. Todos sabem que acumular todos os investimentos em um único papel (ação) é uma péssima ideia, pois o risco é muito grande.

Clarck se aproveitou dessa mesma ideia para começar a criar os seus seis fluxos de renda. Isso mesmo: seis. Ela diz que fez muitas pesquisas ao longo dos anos, após a sua demissão. Assim, chegou à conclusão de que uma das melhores formas de conseguir alcançar a estabilidade profissional efetiva é conquistando múltiplos fluxos de renda.

Ela também explica que, apesar dessa ideia ser muito utilizada pelos empresários, as pessoas físicas também podem ter um segundo fluxo de renda, mesmo sendo funcionárias de alguma empresa. Esse novo fluxo pode ser obtido de várias maneiras, seja vendendo produtos caseiros, dando aulas ou fazendo qualquer outro tipo de trabalho secundário que gere renda. Dessa forma, essa renda secundária pode oferecer um pouco mais de proteção contra as incertezas.

Atualmente, Dorie Clarck conta com seis diferentes fontes de renda, pois, além de consultora de marketing, também atua como coaching executiva, é professora de administração, escritora, possui cursos online e também recebe para participar de palestras e eventos.

Clarck diz que, no seu caso, há uma certa facilidade em obter esses vários fluxos de renda, pois as coisas que ela faz estão dentro da mesma área. Além disso, como as atividades são correlacionadas, os públicos-alvo são parecidos, logo, a promoção de suas atividades, como o livro lançado recentemente, ajuda na geração de novas oportunidades de negócio.

No fim de 2017, Clarck lançou o livro “Enterprenurial You”, em que mostra exatamente o que estamos falando: que não se pode confiar em um empregador para fornecer oportunidades de desenvolvimento profissional ou para esquematizar uma progressão na carreira.

Após ter vivido na pele a situação de perder a sua única fonte de renda, Clarck reitera a importância de diversificar os fluxos do dinheiro e nunca depender de apenas uma fonte.

[box type=”success” align=”” class=”” width=””]Mesmo que ter seis fontes de renda seja muito, ao considerar a realidade do povo brasileiro, as pessoas devem buscar obter uma segunda fonte de renda. Uma boa forma é investir uma parte de seu dinheiro para criar um fundo de emergência. Aplicações no Tesouro Direto são ótimas nesse sentido, pois a quantia exigida para começar o investimento é baixa e, nessa modalidade, os rendimentos vem em forma de juros que são pagos pelo governo. Assim, aos poucos, é possível ir aumentando o investimento, colocando mais dinheiro a cada vez.[/box]

Clarck acredita que essa diversificação não é considerada apenas uma maneira de se ter mais dinheiro, mas também de garantir segurança profissional, além do aprendizado de novas habilidades.

Diversificação e carreira

Dorie Clarck aprendeu a diversificar não somente os seus fluxos de renda, mas também a sua carreira. Hoje ela atua no mercado de seis formas diferentes, mas nem sempre foi assim. Ela afirma que não existe um tempo determinado para que alguém comece a fazer coisas novas, contudo, afirma que é preciso ter cuidado para não fazer tudo de uma vez.

De acordo com Clarck, o ideal é primeiro dominar o fluxo de renda para que esse possa gerar receitas constantemente. Somente após esse ponto é que se deve pensar em adicionar um ou dois novos fluxos de renda a cada ano. Dessa forma, é possível manter tudo em um ritmo que seja administrável.

Nesse sentido, Clarck acredita que a possibilidade de diversificar a renda é acessível a qualquer pessoa, visto que, atualmente, a internet gera um mundo de possibilidades. Os profissionais da atualidade devem possuir a habilidades como a flexibilidade e também a capacidade de se reinventar. Nunca se sabe se o emprego que se tem hoje ainda existirá daqui a dois ou cinco anos. Logo, Clarck aconselha que as pessoas devem estar preparadas para as mudanças.