A dívida da Rodovias do Tietê e o mercado das debêntures

Marcus Vinicius Vicente
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução / Canva

No último dia 11 de novembro, a concessionária Rodovias do Tietê protocolou um pedido de recuperação judicial após não conseguir honrar seus compromissos.

A dívida da empresa somava R$ 1,4 bilhão. Uma semana depois, a XP Investimento marcou o preço das debêntures da companhia a “zero”.

O que agrava o caso, é que neste momento, um número chamou a atenção: 18 mil CPFs tinham essas dividas em sua carteira, além de alguns poucos fundos de investimentos.

Conheça planilha que irá te ajudar em análises para escolha do melhor Fundo Imobiliário em 2021

“O episódio (da Rodovias do Tietê) acaba sendo aprendizado para investidores. Debênture é um investimento interessante, mas tem mais risco. Uma forma de diversificar é não comprar debênture diretamente, comprar por meio de fundos que aplicam em várias debêntures. A ideia de investir em fundos é dar poder a gestores que têm experiência para avaliar o risco dos investimentos”, disse César de Oliveira Frade, coordenador-geral de Reformas Microeconômicas do Ministério da Economia, no evento da Western Asset.

O profissional entende que medidas adicionais são fundamentais para estimular o desenvolvimento desse mercado secundário e confirmou que a culpa pela perda não é do governo e sim de quem investe.

“Não é o governo que tem que pagar o investimento que foi feito. Não cabe ao governo e por isso que a iniciativa privada é chamada a fazer o investimento”, diz Oliveira.

Entenda o caso

Em 2017, a empresa Rodovias do Tietê iniciou um movimento para a reestruturação de uma dívida decorrente da Primeira Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações.

Diversas assembléias de debenturistas foram feitas para que a companhia apresentasse suas propostas de reestruturação, mas, credores e empresa não conseguiram chegar a um acordo.

Em uma assembléia realizada no dia 8 de novembro deste ano, os debenturistas declararam o vencimento antecipado das Debêntures. Como resposta, a empresa protocolou pedido de recuperação judicial.

Para Frade, a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) teria condições de dar preço hoje a um grande volume de ativos de crédito privado.