Análises e Previsões

A bomba do endividamento norte-americano

o endividamento das famílias norte-americanas chegou à um recorde de U$13 trilhões no último trimestre de 2017.

Avalie este artigo!

Segundo o site schiffgold.com, o endividamento norte-americano (das famílias norte-americanas) chegou à um recorde de U$13 trilhões no último trimestre de 2017. Dividindo-se uniformemente, cada homem, mulher e criança norte-americanos teria uma dívida de cerca de U$40,000.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Acrescente a porção de cada um, o débito do governo dos EUA – U$63,000 – e cada norte-americano, em média, carrega uma dívida que chega aos seis dígitos. Segundo coloca o CEO da U.S. Global Investors, Frank Holmes, o nível de dívida nos EUA é uma “soma vertiginosa”.

É fácil olhar para estes números e subestimá-los pensando, “sim, há uma grande dívida, mas será que isso tão relevante assim? Afinal já se fala nela há anos e nunca pareceu fazer muita diferença.”

 

Mas a verdade é que toda essa dívida é uma bomba-relógio. A questão é: será que o Banco Central Norte-Americano (Federal Reserve, ou Fed) vai permitir que ela exploda?

Siga-nos no Facebook e receba as atualizações do Blog:

O contexto é tudo, como costumam dizer. E o contexto no momento é de taxas de juros em alta. Em fevereiro, algumas empresas aumentaram a taxa-alvo de juros para 3.25. O que ainda é baixo. Mas conforme Peter Schiff apontou em recente podcast, o número se torna muito mais significativo em meio às altas dívidas.

“Acredito que o que Wall Street está dizendo: – É bem, nós podemos lidar com isso. 3.25 não é tão ruim, né? Não é tão alto assim, mas a realidade é que é sim. Mesmo que as taxas não subam mais, quando se trata da magnitude da dívida que temos, esse dinheiro extra é muito. Isso seré como um buraco na economia, de modo que tenhamos de pagar taxas mais altas à credores internacionais.”

Isso tanto vai impactar o governo, com seu débito de quase U$21 trilhões, como o cidadão comum americano.

De acordo com análise do Goldman Sachs, a despesa federal com juros vai aumentar para 2.3% do PIB em 2021, e pode chegar à 3.5% até 2027. E não esqueça que a maior parte do PIB norte-americano vêm de consumo.

As pessoas não podem consumir tanto quando estão pagando mais a cada mês para sanarem suas dívidas.

Pode-se dizer que o impacto causado pelo endividamento é como um câncer para o crescimento econômico.

Porém, Peter acredita que a situação é ainda mais ameaçadora pois as taxas de juros não vão parar em 3.25.

“Mas por que isso aconteceria? Dado o atual endividamento e quanto da dívida será comercializada, o grande aumento de oferta vai acarretar em taxas de juros mais altas que a média histórica. Então 6% ou 7% não me parecem fora de questão.”

Mas por que o mercado não parece muito preocupado? Por não estar consciente do problema? Ou por pensar que o Banco Central irá ao resgate e impedir o aumento das taxas? É o que Peter acredita que irá acontecer no final das contas.

“Acredito que a possibilidade de taxas de 5% a 7% vai levar o Banco Central a fazer uma flexibilização quantitativa (quantitative easing). Se não fizerem, então tudo vai entrar em colapso.

Basicamente, o Banco Central está um uma saia justa. Se deixarem as taxas subirem, a bomba do endividamento e a bolha do mercado de ações irão estourar.

A economia irá colapsar e então teremos uma grande recessão. Porém, se o caminho imaginado por Peter for seguido – diminuindo as taxas e aumentando a produção de moeda – isso condenará o dólar. Já se pode imaginar a hiperinflação.

Ambos os cenários são benéficos para o ouro. Como dito em artigo do schiffgold.com, a inflação é boa para o ouro. E se o Banco Central acabar não intervindo, isso também é positivo para o metal amarelo, como aponta Frank Homes.

“Quanto ao endividamento, não posso prever quando ele pode explodir. O que se pode dizer com certeza é que com seu aumento, maior é o risco que ele apresenta. Isso, em contrapartida, ressalta a necessidade de um investimento seguro, como o ouro.

 

 

Filipe Teixeira

Filipe Teixeira é redator do Portal EuQueroInvestir. Gremista, filho dos anos 80, apaixonado por filmes, música, política e economia.

É também Coordenador da área de Marketing do EuQueroInvestir.com e do EuQueroInvestir A.A.I assessores de investimentos.

Me envie um e-mail: filipe.teixeira@euqueroinvestir.com
Ou então uma mensagem por WhatsApp: (51) 98128-5585
Instagram: filipe_st

Artigos Relacionados

Close